A Águia, órgão da Renascença Portuguesa, foi uma das mais importantes revistas do início do século XX em Portugal. No século XXI, a Nova Águia, órgão do MIL: Movimento Internacional Lusófono, tem sido cada vez mais reconhecida como "a única revista portuguesa de qualidade que, sem se envergonhar nem pedir desculpa, continua a reflectir sobre o pensamento português". 
Sede Editorial: Zéfiro - Edições e Actividades Culturais, Apartado 21 (2711-953 Sintra). 
Sede Institucional: MIL - Movimento Internacional Lusófono, Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa). 
Contactos: novaaguia@gmail.com ; 967044286. 

Donde vimos, para onde vamos...

Donde vimos, para onde vamos...
Ângelo Alves, in "A Corrente Idealistico-gnóstica do pensamento português contemporâneo".

Manuel Ferreira Patrício, in "A Vida como Projecto. Na senda de Ortega e Gasset".

Onde temos ido: Mapiáguio (locais de lançamentos da NOVA ÁGUIA)

Albufeira, Alcochete, Alcoutim, Alhos Vedros, Aljezur, Aljustrel, Allariz (Galiza), Almada, Almodôvar, Alverca, Amadora, Amarante, Angra do Heroísmo, Arraiolos, Assomada (Cabo Verde), Aveiro, Azeitão, Baía (Brasil), Bairro Português de Malaca (Malásia), Barcelos, Batalha, Beja, Belmonte, Belo Horizonte (Brasil), Bissau (Guiné), Bombarral, Braga, Bragança, Brasília (Brasil), Cacém, Caldas da Rainha, Caneças, Campinas (Brasil), Carnide, Cascais, Castro Marim, Castro Verde, Chaves, Cidade Velha (Cabo Verde), Coimbra, Coruche, Díli (Timor), Elvas, Ericeira, Espinho, Estremoz, Évora, Faial, Famalicão, Faro, Felgueiras, Figueira da Foz, Freixo de Espada à Cinta, Fortaleza (Brasil), Guarda, Guimarães, João Pessoa (Brasil), Juiz de Fora (Brasil), Lagoa, Lagos, Leiria, Lisboa, Loulé, Loures, Luanda (Angola), Mafra, Mangualde, Marco de Canavezes, Mem Martins, Messines, Mindelo (Cabo Verde), Mira, Mirandela, Montargil, Montijo, Murtosa, Nazaré, Nova Iorque (EUA), Odivelas, Oeiras, Olhão, Ourense (Galiza), Ovar, Pangim (Goa), Pinhel, Pisa (Itália), Ponte de Sor, Pontevedra (Galiza), Portalegre, Portimão, Porto, Praia (Cabo Verde), Queluz, Recife (Brasil), Redondo, Régua, Rio de Janeiro (Brasil), Rio Maior, Sabugal, Sacavém, Sagres, Santarém, Santiago de Compostela (Galiza), São Brás de Alportel, São João da Madeira, São João d’El Rei (Brasil), São Paulo (Brasil), Seixal, Sesimbra, Setúbal, Silves, Sintra, Tavira, Tomar, Torres Novas, Torres Vedras, Trofa, Turim (Itália), Viana do Castelo, Vigo (Galiza), Vila do Bispo, Vila Meã, Vila Nova de Cerveira, Vila Nova de Foz Côa, Vila Nova de São Bento, Vila Real, Vila Real de Santo António e Vila Viçosa.

terça-feira, 27 de setembro de 2022

Sobre CARLOS CARRANCA, na NOVA ÁGUIA nº 30...

 

Muito cedo conheci Carlos Carranca, era ele finalista do liceu, enquanto eu, mais velho, iniciava o estágio de medicina. A fibra dos Carrancas já me era familiar quando, no embrião do PS, de Coimbra, deparei com um jovem diferente dos demais. Ir à Lousã e não visitar José Carranca Redondo, e provar o Licor Beirão, era como ir a Roma e não ver o papa. Também aquele jovem se destacava pelo seu vozeirão contagiante, por um olhar firme com que aspergia afetos, pela incontida sede de saberes e, sobretudo, pela sua total entrega às causas em que acreditava. Daí, a ter concluído facilmente: este miúdo vai longe!  

Não falhei. Muitos anos mais tarde, comentando a “grande festa” que foi a sua vida, Eugénio Lisboa havia de sublinhar: Carranca dava-se por inteiro, com gosto, com energia e com uma impressionante alegria de viver. E até na fase terminal dessa “festa”, recusando desaparecer em silêncio por “doença arrastada”, como é “tradição” entre os portugueses, Carlos Carranca fez questão de nos proporcionar um assinalável conjunto de textos e fotos, que pintam de forma magistral a sua personalidade única. Como não me sentir tocado por uma das suas últimas citações, esta retirada de Ernest Hemingway? - Quem estará nas trincheiras a teu lado? – E isso importa? – Mais do que a própria guerra. 

EVOCANDO CARLOS CARRANCA (1957-2019)

Cândido Ferreira