EM TODO O PAÍS & MUNDO LUSÓFONO: LANÇAMENTOS NOVA ÁGUIA: REVISTA DE CULTURA PARA O SÉCULO XXI

Desde 2008, "a única revista portuguesa de qualidade que, sem se envergonhar nem pedir desculpa, continua a reflectir sobre o pensamento português".

A Águia foi uma das mais importantes revistas do início do século XX em Portugal, em que colaboraram algumas das mais relevantes figuras da nossa Cultura, como Teixeira de Pascoaes, Jaime Cortesão, Raul Proença, Leonardo Coimbra, António Sérgio, Fernando Pessoa e Agostinho da Silva.

A NOVA ÁGUIA pretende ser uma homenagem a essa tão importante revista da nossa História, procurando recriar o seu “espírito”, adaptado ao século XXI, conforme se pode ler no nosso
Manifesto.

Tal como n’ A Águia, temos tido o contributo das mais relevantes figuras da Cultura Lusófona...

Para o 27º número, os textos devem ser enviados até ao final de Dezembro.

Sede Editorial: Zéfiro - Edições e Actividades Culturais, Apartado 21 (2711-953 Sintra).
Sede Institucional: MIL - Movimento Internacional Lusófono, Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa).

Contactos: novaaguia@gmail.com ; 967044286.

Lançamento da NOVA ÁGUIA 26

Lançamento da NOVA ÁGUIA 26
22 de Outubro, no Palácio da Independência (na foto: João Reis Gomes, Renato Epifânio, Francisco Ribeiro Soares e Rodrigo Sobral Cunha). Para ver o vídeo, clicar sobre a imagem...

Para agendar um lançamento: novaaguia@gmail.com; 967044286.

MAPIÁGUIO (mapa de locais de lançamentos da NOVA ÁGUIA): Albufeira, Alcochete, Alcoutim, Alhos Vedros, Aljezur, Aljustrel, Allariz (Galiza), Almada, Almodôvar, Alverca, Amadora, Amarante, Angra do Heroísmo, Arraiolos, Assomada (Cabo Verde), Aveiro, Azeitão, Baía (Brasil), Bairro Português de Malaca (Malásia), Barcelos, Batalha, Beja, Belo Horizonte (Brasil), Bissau (Guiné), Bombarral, Braga, Bragança, Brasília (Brasil), Cacém, Caldas da Rainha, Caneças, Campinas (Brasil), Carnide, Cascais, Castro Marim, Castro Verde, Chaves, Cidade Velha (Cabo Verde), Coimbra, Coruche, Díli (Timor), Elvas, Ericeira, Espinho, Estremoz, Évora, Faial, Faro, Felgueiras, Figueira da Foz, Freixo de Espada à Cinta, Fortaleza (Brasil), Guimarães, João Pessoa (Brasil), Juiz de Fora (Brasil), Lagoa, Lagos, Leiria, Lisboa, Loulé, Loures, Luanda (Angola), Mafra, Mangualde, Marco de Canavezes, Mem Martins, Messines, Mindelo (Cabo Verde), Mira, Montargil, Montijo, Murtosa, Nazaré, Nova Iorque (EUA), Odivelas, Oeiras, Olhão, Ourense (Galiza), Ovar, Pangim (Goa), Pisa (Itália), Ponte de Sor, Pontevedra (Galiza), Portalegre, Portimão, Porto, Praia (Cabo Verde), Queluz, Recife (Brasil), Redondo, Régua, Rio de Janeiro (Brasil), Rio Maior, Sabugal, Sacavém, Sagres, Santarém, Santiago de Compostela (Galiza), São Brás de Alportel, São João da Madeira, São João d’El Rei (Brasil), São Paulo (Brasil), Seixal, Sesimbra, Setúbal, Silves, Sintra, Tavira, Tomar, Torres Novas, Torres Vedras, Trofa, Turim (Itália), Viana do Castelo, Vila do Bispo, Vila Meã, Vila Nova de Cerveira, Vila Nova de Foz Côa, Vila Nova de São Bento, Vila Real, Vila Real de Santo António e Vila Viçosa.

Nota: Muitos destes lançamentos, não só no país como por todo o espaço lusófono, só têm sido possíveis pelo apoio que a este projecto tem sido dado, desde a primeira hora, pelo MIL: Movimento Internacional Lusófono. O nosso público reconhecimento por isso. Desta forma, a NOVA ÁGUIA tem tido uma projecção não apenas estritamente nacional mas lusófona.

O "3º momento alto" da nossa tradição filosófico-cultural

O "3º momento alto" da nossa tradição filosófico-cultural
Ângelo Alves, "A Corrente Idealistico-gnóstica do pensamento português contemporâneo"

Manuel Ferreira Patrício, sobre o MIL e a NOVA ÁGUIA

Manuel Ferreira Patrício, sobre o MIL e a NOVA ÁGUIA
In AA.VV. "A Vida como Projecto. na senda de Ortega e Gasset", Universidade de Évora Edições, 2014, p. 13.

segunda-feira, 30 de novembro de 2020

Para ler on-line: "Portugal-Goa"




Para ler:

Outras Obras:


Para ler:




Para ler:



Para ler:

A Via Lusófona IV: mais um título da Colecção NOVA ÁGUIA



Plataforma de Associações Lusófonas


No rescaldo dos cinco Congressos da Cidadania Lusófona, foi lançada a PALUS: Plataforma de Associações Lusófonas, visando agregar as Associações da Sociedade Civil (independentes nos planos governativo, partidário e religioso) de todo o Espaço da Lusofonia. Como já foi mil vezes reiterado, todos teremos a ganhar com a afirmação da Sociedade Civil. A nosso ver, essa afirmação será tanto mais forte quanto mais se realizar em rede, à escala de todo o Espaço da Lusofonia. Assim se afirmará, em última instância, a Sociedade Civil Lusófona, grande desígnio estratégico do Século XXI.  

Para mais informações:

Fotos da Homenagem a Fernão de Magalhães, no Bairro Português de Malaca. Com o apoio do MIL e da NOVA ÁGUIA...




"Há uma solução geopolítica para Portugal, sem vergonhas e sem preconceitos"

"O Diabo", 13.11.12


Edição revista e aumentada - para encomendar:
info@movimentolusofono.org
 

De Afonso Botelho, mais um Livro MIL/ Fundação Lusíada...




Para encomendar: info@movimentolusofono.org

domingo, 29 de novembro de 2020

10 de Dezembro: sobre Clarice Lispector...

 




Edições vídeo: Atribuição do Prémio MIL a Alarcão Troni | Apresentação da NOVA ÁGUIA nº 26 e de outras Edições MIL

 

Capa, Editorial e Índice da NOVA ÁGUIA 26...

 

Ainda que não com esse título formal, António Ferro foi o melhor Ministro da Cultura que Portugal teve no século XX – facto que só não é mais consensualmente reconhecido por mero preconceito ideológico.

Fernanda de Castro foi a sua companheira de sempre – companheira com obra própria, porém. Neste número, foi essa obra própria que evidenciámos, através de mais três dezenas de textos e testemunhos, que nos chegaram por via de Mafalda Ferro, sua neta e Presidente da Fundação António Quadros, nossa parceira institucional, a quem, desde já, aqui agradecemos.

No século XXI, a pandemia que tem assolado todo o mundo durante este ano é já o acontecimento mais relevante, à escala global, destas duas últimas décadas. Daí o repto que lançámos ao nosso universo de colaboradores: “Pensar de novo, pensar o novo: em tempos de pandemia”. Foram mais de uma dezena e meia de textos que nos chegaram e que aqui publicamos, começando pela colaboração sempre valiosa de Adriano Moreira.

O ano de 2020 fica igualmente marcado pelo falecimento de Mário Bigotte Chorão, eminente figura do nosso pensamento jurídico, que aqui evocamos. Neste ano, passa igualmente uma década sobre a morte de António Telmo, figura não menos eminente do nosso pensamento histórico, cultural e filosófico. Neste número, publicamos “doze apontamentos inéditos” do próprio António Telmo – no próximo número, publicaremos um conjunto de dezasseis “Cartas para António Telmo”, de Dalila Pereira da Costa, bem como mais de uma dúzia de textos e testemunhos sobre o seu pensamento e obra, que tem sido republicada pela Zéfiro.

Neste número, evocamos igualmente, de forma mais breve, outras oito figuras da nossa cultura – de Albano Martins, poeta homenageado, a título póstumo, na edição de 2019 do Festival Literário “Tabula Rasa”, co-organizado pelo MIL: Movimento Internacional lusófono e pela NOVA ÁGUIA, a (de novo) Pinharanda Gomes, a figura em maior destaque no número anterior. E publicamos ainda mais oito “outros voos” – começando por um texto de António Braz Teixeira, o primeiro texto de uma obra entretanto lançada com a chancela do MIL. 

Por fim, no “Bibliáguio”, publicamos mais uma série de recensões de obras culturalmente relevantes – falando aqui apenas das primeiras quatro: “Vida conversável”, na sua versão integral, de Agostinho da Silva (publicação da Zéfiro, na Colecção NOVA ÁGUIA); “Portugal, Razão e Mistério: a Trilogia”, de António Quadros (filho de António Ferro e Fernanda de Castro, a quem demos destaque no décimo segundo número da Revista); “O Século dos Prodígios: a Ciência no Portugal da Expansão”, de Onésimo Teotónio Almeida; e “As Literaturas de Língua Portuguesa (das origens aos nossos dias)”, de José Carlos Seabra Pereira, uma obra fundamental para a consolidação futura da nossa comum cultura lusófona.

Como recordamos no “Memoriáguio”, foi ainda possível lançar publicamente o número anterior da Revista – no dia 10 de Março, na nossa sede institucional (Palácio da Independência, em Lisboa). Todas as várias dezenas de sessões de apresentação agendadas, em todo o país, para as semanas seguintes, foram porém canceladas, dado o estado de pandemia, que levou igualmente ao fecho das livrarias. Tal só não provocou o estrangulamento financeiro da Revista porque muitos Amigos da NOVA ÁGUIA encomendaram entretanto, por via postal, um número significativo de exemplares. Gratos, por terem assim permitido a persecução do nosso Voo. Este número é-vos particularmente dedicado.

NOVA ÁGUIA Nº 26: ÍNDICE 

Editorial…5 

FERNANDA DE CASTRO, NOS 120 ANOS DO SEU NASCIMENTO 
Textos e Testemunhos de Mafalda Ferro (p. 8), António Quadros (p. 23), António Roquette Ferro (p. 24), Carmen Dolores (p. 24), Eduardo Pitta (p. 25), Fernando de Castro Ferro (p. 29), Fernando Dacosta (p. 30), Helena Marinho (p. 31), Joana Leitão de Barros (p. 42), José Carlos Seabra Pereira (p. 46), Madalena Ferreira Jordão (p. 63), Manuela Dâmaso (p. 67), Margarida de Magalhães Ramalho (p. 69), Paula Mourão (p. 75), Rita Ferro (p. 84) e Vasco Rosa (p. 85) | Outros Testemunhos de Alfredo Guisado (p. 86), Álvaro Ribeiro (p. 86), Amália Rodrigues (p. 87), Aquilino Ribeiro (p. 87), Ary dos Santos (p. 87), Augusto Santa-Rita (p. 87), Cecília Meireles (p. 87), Delfim Santos (p. 87), Germana Tânger (p. 87), João de Barros (p. 87), João Bigotte Chorão (p. 88), Joaquim Paço d'Arcos (p. 88), Joaquim Veríssimo Serrão (p. 88), Jorge Segurado (p. 88), José Leitão de Barros (p. 88), Margarida Homem de Sousa (p. 88), Maria Helena Ferro da Cunha de Matos (p. 88), Natália Correia (p. 88), Raul Lino (p. 88) e Teixeira de Pascoaes (p. 89) | Obra Publicada (p. 89) 

PENSAR DE NOVO, PENSAR O NOVO: EM TEMPOS DE PANDEMIA 
SEM BÚSSOLA | Adriano Moreira…92 
A CRISE ESTABELECIDA E A AVERSÃO AO ESTRANHO: O NOVO DESPERTAR DA VIVÊNCIA RACIONAL | António Duarte Santos…93 
A PANDEMIA VENCERÁ O HEDONISMO? NÃO, NÃO VENCERÁ! | Artur Manso…98 
LENDO COM DUAS CRIANÇAS | Elter Manuel Carlos…102 
EDUCAÇÃO, SAÚDE E LITERACIA CÍVICO-JURÍDICA: REFLEXÕES EM TEMPOS DE PANDEMIA | Emanuel Oliveira Medeiros…107 
DA IDENTIDADE ÔNTICA DO TEMPO | J. A. Alves Ambrósio…115 
REFLEXÕES SOBRE O CORONAVÍRUS | Luís de Barreiros Tavares…119 
PANDEMIA, CONFINAMENTO E DEPOIS: TEM ALGUMA UTILIDADE A FILOSOFIA? | Luís G. Soto & Miguel Ángel Martínez Quintanar…123 
UMA VIDA EM TELETRABALHO | Maria Afonso Sancho…129 
ESPERO PERDURAR POR VIA DOS QUE FICAM VIVOS | Maria de Sousa…131 
SOMOS TUDO, SOMOS NADA | Mário Carneiro…133 
AS PESSOAS E AS MÁSCARAS | Mário Forjaz Secca…134 
A CULTURA, O MAL E A ESPERANÇA | Miguel Real…139 
UMA REFLEXÃO SOBRE A PANDEMIA: PASSADO, PRESENTE E FUTURO | Nuno Sotto Mayor Ferrão…141 
PALAVRAS CRUZADAS: PALAVRAS E COISAS EM TEMPO DE CORONAVÍRUS | Paulo Ferreira da Cunha…149 
PERPLEXIDADES PANDÉMICAS | Renato Epifânio…154 
COVID–19 E AS CRIANÇAS | Rodrigo Sobral Cunha…157 

NA MORTE DE MÁRIO BIGOTTE CHORÃO 
BREVE PERFIL DE MÁRIO BIGOTTE CHORÃO (1931-2020) | Paulo Ferreira da Cunha…160
HOJE E SEMPRE, MÁRIO BIGOTTE CHORÃO | Miguel Pedrosa Machado…163 
MÁRIO BIGOTTE CHORÃO: MEMENTO BRASILEIRO | Francisco Amaral…165 

OUTRAS EVO(O)CAÇÕES 
ALBANO MARTINS | António José Borges…168 
ANTÓNIO MAGNO | Delmar Domingos de Carvalho…173 
FERREIRA DEUSDADO | Melânia Pereira de Castro…175 
MARIA CÂNDIDA PACHECO | Maria Leonor Xavier…178 
ORLANDO VITORINO | Alexandre Teixeira Mendes…181 
PASCOAES | José Vieira…192 
PEDRO BAPTISTA | Rui Lopo…195 
PINHARANDA GOMES | Elísio Gala…197 

OUTROS VOOS 
BREVE REFLEXÃO SOBRE A TRAGÉDIA | António Braz Teixeira…206 
CIDADANIA E DEMOCRACIA | Carlos Magalhães…207 
DAS MÁSCARAS | César Tomé…210 
EDUCAÇÃO E POESIA: TRAÇOS EM SEBASTIÃO DA GAMA E OUTRAS EVOCAÇÕES | Emanuel Oliveira Medeiros…213 
NOSSA SENHORA DAS SAUDADES | Joaquim Domingues…222 
A LEITURA INFINITA: A LEITURA EM VOZ ALTA, O QUE ACRESCENTA AOS TEXTOS? | José Eduardo Franco…229 
NOVE DEAMBULAÇÕES PRÓ-LUSÓFONAS | Renato Epifânio…232 
AUTOBIOGRAFIA 8 | Samuel Dimas…239 

EXTRAVOO 
DOZE APONTAMENTOS INÉDITOS | António Telmo…258 

BIBLIÁGUIO 
VIDA CONVERSÁVEL | José Almeida…264 
PORTUGAL, RAZÃO E MISTÉRIO: A TRILOGIA | Annabela Rita…265 
O SÉCULO DOS PRODÍGIOS: A CIÊNCIA NO PORTUGAL DA EXPANSÃO | José Luís Brandão da Luz…267 
AS LITERATURAS DE LÍNGUA PORTUGUESA (DAS ORIGENS AOS NOSSOS DIAS) | José Almeida…271 
EUDORO DE SOUSA: ESTUDOS DE CULTURA ENTRE A UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA E A UNIVERSIDADE DO PORTO | Luís Lóia…272 
O PENSAMENTO E A OBRA DE MANUEL A. FERREIRA DEUSDADO | José Almeida…274 
EU SOU ESTE ROSTO ENXUTO / SOU ESTE CANTO INTERDITO | Jorge de Morais…275
DIACRÓNICAS | Maria Luísa de Castro Soares…278 

POEMÁGUIO 
ELOGIO DE TERESA MARIA | António José Borges…91 
O PRONUNCIAMENTO CASSÂNDRICO | Jaime Otelo…91 
ARRÁBIDA | Jesus Carlos…148 
NO JARDIM DE SOPHIA | Maria José Leal…158-159 
RUA DO CÁVADO (DO MEU MICRO-MUNDO) | Delmar Maia Gonçalves…167 
MEU BAIRRO; PARTILHA | Ernesto Dabo…167 
OMNIPRESENÇA DE CAMILO PESSANHA | Manoel Tavares Rodrigues-Leal…p. 191
PANDEMIA; SACRIFÍCIO; VIVER; EVIDÊNCIA; INVISÍVEL | Samuel Dimas…216-217 

MEMORIÁGUIO…280 
MAPIÁGUIO…281 
ASSINATURAS…281 
COLECÇÃO NOVA ÁGUIA…284

Mais um Livro MIL: de António Braz Teixeira, "A Vida Imaginada: Textos sobre Teatro e Literatura"

Para encomendar: info@movimentolusofono.org

Vídeos sobre a Lusofonia

21 Autores para a Filosofia Portuguesa do Século XXI



“21 Autores para a Filosofia Portuguesa do Século XXI”, in Letras ComVida: Literatura, Cultura e Arte, nº 4, 2º Semestre de 2011, pp. 18-66. 

MILhafre: um olhar lusófono sobre o mundo...



Já com mais de 587 MIL visitas:
www.mil-hafre.blogspot.com

sábado, 28 de novembro de 2020

Miguel Torga: Ensaios de Filosofia e Literatura

PREFÁCIO | Maria Luísa Malato

MIGUEL TORGA – A PALAVRA VOTIVA | Isabel Ponce de Leão

REVISITAÇÃO À OBRA “A VINDIMA” DE MIGUEL TORGA: UMA LEITURA ESTÉTICA E ÉTICA | António Júlio Rebelo

MIGUEL TORGA: UMA LEITURA PEDAGÓGICA DE A CRIAÇÃO DO MUNDO | Artur Manso

“SE TUDO É TORGA, TORGA É TUDO”: TORGA LIDO POR LOURENÇO | Hugo Monteiro

DA PAISAGEM IRROMPE A PERSONAGEM: CONSIDERAÇÕES ESTÉTICAS SOBRE A OBRA DE MIGUEL TORGA | Joaquim Braga

SOBRE TORGA E O 25 DE ABRIL | Luís G. Soto

UMA SERRA PARA DOIS POETAS: TORGA E PASCOAES | Maria Celeste Natário

ENTRE O CÉU E A TERRA: DO RELIGIOSO E DO MÍSTICO NA POESIA DE MIGUEL TORGA | Patrícia Calvário

ENTRE MIGUEL TORGA E AGOSTINHO DA SILVA: AFINIDADES (IN)SUSPEITAS | Renato Epifânio

MIGUEL TORGA, UM ANIMAL OBSTINADO | Rodrigo Araújo

A EXPERIÊNCIA ESPIRITUAL DO SAGRADO EM MIGUEL TORGA | Samuel Dimas

O “GOSTO DA RESPONSABILIDADE ASSUMIDA”: A IDEIA DA TÉCNICA NO DIÁRIO DE MIGUEL TORGA | Tiago Mesquita Carvalho

TORGA, UMA POESIA DA ALMA E DA PAISAGEM: ENRAIZAMENTO E VIAGEM | Joaquim Escola

MIGUEL TORGA, UMA POESIA DA ALMA E DA PAISAGEM | Isabel Alves e Maria Hercília Agarez  

 

Em 2021: novos Cursos Academia Lusófona/ IFLB


 

Congresso Internacional sobre Eça de Queiroz, em Outubro de 2021


Em parceria com outras entidades culturais e académicas, o MIL: Movimento Internacional Lusófono organizou, em Novembro de 2019, na Sociedade de Geografia de Lisboa e na Biblioteca Nacional de Portugal, o Congresso Internacional «Eça de Queiroz, nos 150 anos do Canal do Suez», em que se apresentaram comunicações de um conjunto alargado e diversificado de estudiosos de Eça de Queiroz, tendo como pretexto a viagem do escritor ao Médio Oriente para, desde logo, assistir à inauguração da revolucionária via de ligação entre o Mar Mediterrâneo e o Mar Vermelho.

Dado o significativo sucesso dessa iniciativa, o MIL pretendia promover, em 2020, um outro Congresso Internacional sobre Eça de Queiroz, desta vez tendo como pretexto os 150 de «O Mistério da Estrada de Sintra», o primeiro livro, o primeiro romance de Eça – e de José Duarte Ramalho Ortigão –, que foi previamente publicado nas páginas do Diário de Notícias, tal como as reportagens que ele enviou do Médio Oriente aquando da inauguração do Canal do Suez. Para tal, tínhamos já uma parceria acordada com a Biblioteca Nacional de Portugal e a Câmara Municipal de Sintra.

Dada a pandemia que nos tem assolado em 2020, decidimos realizar esse Congresso em Outubro de 2021, onde iremos igualmente assinalar os 150 anos das Conferências Democráticas do Casino Lisbonense e o início da publicação de «As Farpas», escritas com Ramalho Ortigão – uma iniciativa e um projecto que marcaram indelével e duradouramente a nossa cultura. Na ocasião, iremos igualmente lançar o nº 28 da Revista NOVA ÁGUIA, que publicará os textos apresentados no Congresso Internacional «Eça de Queiroz, nos 150 anos do Canal do Suez». Caso pretenda participar neste Congresso Internacional a decorrer na segunda quinzena de Outubro de 2021, pode desde já enviar-nos uma proposta de Comunicação (para: info@movimentolusofono.org). Entretanto, confirmaremos datas e locais.

Para mais informações: https://queiroz150suez.blogspot.com/

16-18 de Dezembro: VII Colóquio Luso-Galaico sobre a Saudade



Nos 90 anos de Carlos Baliñas Fernández  & nos 100 anos da Revista “Nós”


Dado o contexto de pandemia, o VII Colóquio Luso-Galaico sobre a Saudade, agendado em primeira instância para Maio de 2020, realizar-se-á entre 16 e 18 de Dezembro deste ano, na plataforma de videoconferências “zoom”. Ainda procurámos, até ao limite, manter o modelo habitual – com o primeiro dia a decorrer em Lisboa, o segundo no Porto e o terceiro na Galiza –, mas esse modelo presencial não será desta vez exequível, o que muito lamentamos.

Caso pretenda participar neste Colóquio, poderá ainda enviar-nos, até final de Novembro, uma proposta de Comunicação. No início de Dezembro, publicitaremos o Programa de mais uma edição destes Colóquios que tanto têm cimentando as pontes filosófico-culturais entre Portugal e a Galiza.


Comunicações já confirmadas

 

De Portugal:

António Braz Teixeira | A Saudade na Geração “Nós”

António Braz Teixeira | Os Filósofos da Geração “Nós”: Vicente Risco

Artur Manso | Miguel Torga e a dorida saudade de um Portugal futurante

César Tomé | Divagações em torno do ser poético-filosófico saudoso a propósito dos ritmos bergsonianos de António Telmo

Duarte Braga | A Saudade em Goa

Joaquim Pinto | A saudade como sentimento de (In)vastidão – uma leitura a partir de Mariana Alcoforado

Luís Lóia | Nós e o habitar: Do Marão à Finisterra

Luísa Borges | Do referencial da Saudade no Saudosismo de Mário Beirão

Paula Oleiro | A temática da saudade na lírica portuguesa

Paulo Samuel | «Renascença Portuguesa» e a revista Nós

Renato Epifânio | Nos 100 anos da Teoria do Nacionalismo Galego, de Vicente Risco

Samuel Dimas | A Metafísica panteísta da Saudade em Daniel Cortezón

Da Galiza:

Alipio Santiago | A saudade de Bernardo Soares (F. Pessoa) xulgada dende o criterio ético do xuíz Wilhelm (S. Kierkegaard)

José Catanga | A saudade e o rural

Luís G. Soto | A saudade e as sombras

Luis Martinez-Risco | Vicente Risco e a xeração Nos

Marcelino Agís Villaverde | Carlos Baliñas Fernández : a busca dun novo paradigma hermenêutico

Maruxa Baliñas | El Seminario de Estudos Galegos y la conmemoración del Centenario de la muerte de Beethoven

Miguel Ángel Martínez Quintanar | Saudade e aprendizaxe

Rocío Carolo | Tres xeracións vencelladas pola saudade

Uxío Breogán Diéguez Cequiel | O imaginário colectivo galego e a revista Nós. O celtismo e a saudade

 


Para mais informações:

Repertório da bibliografia filosófica portuguesa

COLECÇÃO NOVA ÁGUIA: JÁ COM MAIS DE 50 TÍTULOS