A Águia, órgão do Movimento da Renascença Portuguesa, foi uma das mais importantes revistas do início do século XX em Portugal. No século XXI, a Nova Águia, órgão do MIL: Movimento Internacional Lusófono, tem sido cada vez mais reconhecida como "a única revista portuguesa de qualidade que, sem se envergonhar nem pedir desculpa, continua a reflectir sobre o pensamento português". 
Sede Editorial: Zéfiro - Edições e Actividades Culturais, Apartado 21 (2711-953 Sintra). 
Sede Institucional: MIL - Movimento Internacional Lusófono, Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa). 
Contactos: novaaguia@gmail.com ; 967044286. 

Donde vimos, para onde vamos...

Donde vimos, para onde vamos...
Ângelo Alves, in "A Corrente Idealistico-gnóstica do pensamento português contemporâneo".

Manuel Ferreira Patrício, in "A Vida como Projecto. Na senda de Ortega e Gasset".

Onde temos ido: Mapiáguio (locais de lançamentos da NOVA ÁGUIA)

Albufeira, Alcáçovas, Alcochete, Alcoutim, Alhos Vedros, Aljezur, Aljustrel, Allariz (Galiza), Almada, Almodôvar, Alverca, Amadora, Amarante, Angra do Heroísmo, Arraiolos, Assomada (Cabo Verde), Aveiro, Azeitão, Baía (Brasil), Bairro Português de Malaca (Malásia), Barcelos, Batalha, Beja, Belmonte, Belo Horizonte (Brasil), Bissau (Guiné), Bombarral, Braga, Bragança, Brasília (Brasil), Cacém, Caldas da Rainha, Caneças, Campinas (Brasil), Carnide, Cascais, Castro Marim, Castro Verde, Chaves, Cidade Velha (Cabo Verde), Coimbra, Coruche, Díli (Timor), Elvas, Ericeira, Espinho, Estremoz, Évora, Faial, Famalicão, Faro, Felgueiras, Figueira da Foz, Freixo de Espada à Cinta, Fortaleza (Brasil), Guarda, Guimarães, João Pessoa (Brasil), Juiz de Fora (Brasil), Lagoa, Lagos, Leiria, Lisboa, Loulé, Loures, Luanda (Angola), Mafra, Mangualde, Marco de Canavezes, Mem Martins, Messines, Mindelo (Cabo Verde), Mira, Mirandela, Montargil, Montijo, Murtosa, Nazaré, Nova Iorque (EUA), Odivelas, Oeiras, Olhão, Ourense (Galiza), Ovar, Pangim (Goa), Pinhel, Pisa (Itália), Ponte de Sor, Pontevedra (Galiza), Portalegre, Portimão, Porto, Praia (Cabo Verde), Queluz, Recife (Brasil), Redondo, Régua, Rio de Janeiro (Brasil), Rio Maior, Sabugal, Sacavém, Sagres, Santarém, Santiago de Compostela (Galiza), São Brás de Alportel, São João da Madeira, São João d’El Rei (Brasil), São Paulo (Brasil), Seixal, Sesimbra, Setúbal, Silves, Sintra, Tavira, Teresina (Brasil), Tomar, Torres Novas, Torres Vedras, Trofa, Turim (Itália), Viana do Castelo, Vigo (Galiza), Vila do Bispo, Vila Meã, Vila Nova de Cerveira, Vila Nova de Foz Côa, Vila Nova de São Bento, Vila Real, Vila Real de Santo António e Vila Viçosa.

terça-feira, 18 de junho de 2024

Próximo Livro Fundação Lusíada/ MIL: "António Quadros: nos 100 anos do seu nascimento"

 



ÍNDICE

ANTÓNIO QUADROS, INTÉRPRETE DA CULTURA BRASILEIRA | António Braz Teixeira

ANTÓNIO QUADROS E A FUNDAÇÃO LUSÍADA | Abel Lacerda Botelho

ANTÓNIO QUADROS E A AUTÓPSIA DA REVOLUÇÃO: NOTAS SOBRE A PÁTRIA (O SEU “IMPENSADO”) E A (“INSTITUCIONALIZAÇÃO” DA) CIDADANIA DEMOCRÁTICA | Alexandre Teixeira Mendes

A ESTÉTICA DO BAILADO EM ANTÓNIO QUADROS | Ana Margarida Chora

ANTÓNIO QUADROS MODERNISTA, COMO JANUS | Annabela Rita

ENTRE O LIRISMO E A PERPLEXIDADE: A OBRA POÉTICA DE ANTÓNIO QUADROS | António José Borges

ANTÓNIO QUADROS: DO ACTO À ESPIRAL | Artur Manso

O ESPAÇO, O TEMPO E A IMAGEM NO MOVIMENTO EXISTENCIAL DE ANTÓNIO QUADROS | César Tomé

ANTÓNIO QUADROS E A FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN: O ELOGIO DA LEITURA | Guilherme d’Oliveira Martins

PENSAMENTO E MOVIMENTO EM ANTÓNIO QUADROS | João Luís Ferreira

A FILOSOFIA DA HISTÓRIA PORTUGUESA EM ANTÓNIO QUADROS | Joaquim Domingues

ANTÓNIO QUADROS, FILÓSOFO DA ESPERANÇA DE PORTUGAL | Jorge Preto

ANTÓNIO QUADROS, O DISCÍPULO OCULTO DE JAIME CORTESÃO | José Almeida

A PAIXÃO DE ANTÓNIO QUADROS POR "FERNANDO P."| José António Barreiros

ANTÓNIO QUADROS E AARÃO DE LACERDA: UMA ESTÉTICA SIMBÓLICA (SÍNTESE COMPARATIVA) | José Carlos Pereira

ANTÓNIO QUADROS, HERMENEUTA DO PENSAMENTO PORTUGUÊS | José Esteves Pereira

ANTÓNIO QUADROS EMPREENDEDOR, HUMANISTA E PEDAGOGO: O IADE | Madalena Ferreira Jordão

ANTÓNIO QUADROS E O SIGNIFICADO DAS NARRATIVAS DO MARAVILHOSO | Manuel Cândido Pimentel

ANTÓNIO QUADROS E DELFIM SANTOS | Maria de Lourdes Sirgado Ganho

ANTÓNIO QUADROS E O CULTO DO ESPÍRITO SANTO | Maurícia Teles da Silva

ANTÓNIO QUADROS E ANTÓNIO TELMO: UM DIÁLOGO ENTRE LIVRES-PENSADORES | Pedro Martins

ANTÓNIO QUADROS E OUTROS VULTOS EVOCANTES DA TRADIÇÃO JOAQUIMITA: JOSÉ MARINHO, AGOSTINHO DA SILVA, ÁLVARO RIBEIRO, FERNANDO PESSOA, JAIME CORTESÃO, RAUL LEAL E NATÁLIA CORREIA | Renato Epifânio

O CONHECIMENTO SAUDOSO DA EXPERIÊNCIA MÍSTICA EM ANTÓNIO QUADROS E DALILA PEREIRA DA COSTA | Samuel Dimas

ANTÓNIO QUADROS: AS VANGUARDAS PORTUGUESAS E O SUPRA-PESSOA | Tomás Cunha

ANTÓNIO QUADROS: INFLUÊNCIAS FAMILIARES | Mafalda Ferro

"António Quadros: nos 100 anos do seu nascimento", coord. de António Braz Teixeira e Renato Epifânio, Lisboa, Fundação Lusíada/ MIL/ DG Edições, 2024, 238 pp. 

ISBN: 978-989-35619-0-4

Para encomendar: info@movimentolusofono.org

Sem comentários: