EM TODO O PAÍS & MUNDO LUSÓFONO: LANÇAMENTOS NOVA ÁGUIA: REVISTA DE CULTURA PARA O SÉCULO XXI

Desde 2008, "a única revista portuguesa de qualidade que, sem se envergonhar nem pedir desculpa, continua a reflectir sobre o pensamento português".

A Águia foi uma das mais importantes revistas do início do século XX em Portugal, em que colaboraram algumas das mais relevantes figuras da nossa Cultura, como Teixeira de Pascoaes, Jaime Cortesão, Raul Proença, Leonardo Coimbra, António Sérgio, Fernando Pessoa e Agostinho da Silva.

A NOVA ÁGUIA pretende ser uma homenagem a essa tão importante revista da nossa História, procurando recriar o seu “espírito”, adaptado ao século XXI, conforme se pode ler no nosso
Manifesto.

Tal como n’ A Águia, temos tido o contributo das mais relevantes figuras da Cultura Lusófona...

Para o 29º número, os textos devem ser enviados até ao final de Dezembro.

Sede Editorial: Zéfiro - Edições e Actividades Culturais, Apartado 21 (2711-953 Sintra).
Sede Institucional: MIL - Movimento Internacional Lusófono, Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa).

Contactos: novaaguia@gmail.com ; 967044286.

MAPIÁGUIO (mapa de locais de lançamentos da NOVA ÁGUIA): Albufeira, Alcochete, Alcoutim, Alhos Vedros, Aljezur, Aljustrel, Allariz (Galiza), Almada, Almodôvar, Alverca, Amadora, Amarante, Angra do Heroísmo, Arraiolos, Assomada (Cabo Verde), Aveiro, Azeitão, Baía (Brasil), Bairro Português de Malaca (Malásia), Barcelos, Batalha, Beja, Belo Horizonte (Brasil), Bissau (Guiné), Bombarral, Braga, Bragança, Brasília (Brasil), Cacém, Caldas da Rainha, Caneças, Campinas (Brasil), Carnide, Cascais, Castro Marim, Castro Verde, Chaves, Cidade Velha (Cabo Verde), Coimbra, Coruche, Díli (Timor), Elvas, Ericeira, Espinho, Estremoz, Évora, Faial, Faro, Felgueiras, Figueira da Foz, Freixo de Espada à Cinta, Fortaleza (Brasil), Guimarães, João Pessoa (Brasil), Juiz de Fora (Brasil), Lagoa, Lagos, Leiria, Lisboa, Loulé, Loures, Luanda (Angola), Mafra, Mangualde, Marco de Canavezes, Mem Martins, Messines, Mindelo (Cabo Verde), Mira, Mirandela, Montargil, Montijo, Murtosa, Nazaré, Nova Iorque (EUA), Odivelas, Oeiras, Olhão, Ourense (Galiza), Ovar, Pangim (Goa), Pisa (Itália), Ponte de Sor, Pontevedra (Galiza), Portalegre, Portimão, Porto, Praia (Cabo Verde), Queluz, Recife (Brasil), Redondo, Régua, Rio de Janeiro (Brasil), Rio Maior, Sabugal, Sacavém, Sagres, Santarém, Santiago de Compostela (Galiza), São Brás de Alportel, São João da Madeira, São João d’El Rei (Brasil), São Paulo (Brasil), Seixal, Sesimbra, Setúbal, Silves, Sintra, Tavira, Tomar, Torres Novas, Torres Vedras, Trofa, Turim (Itália), Viana do Castelo, Vigo (Galiza), Vila do Bispo, Vila Meã, Vila Nova de Cerveira, Vila Nova de Foz Côa, Vila Nova de São Bento, Vila Real, Vila Real de Santo António e Vila Viçosa.

Nota: Muitos destes lançamentos, não só no país como por todo o espaço lusófono, só têm sido possíveis pelo apoio que a este projecto tem sido dado, desde a primeira hora, pelo MIL: Movimento Internacional Lusófono. O nosso público reconhecimento por isso. Desta forma, a NOVA ÁGUIA tem tido uma projecção não apenas estritamente nacional mas lusófona.

O "3º momento alto" da nossa tradição filosófico-cultural

O "3º momento alto" da nossa tradição filosófico-cultural
Ângelo Alves, "A Corrente Idealistico-gnóstica do pensamento português contemporâneo"

Manuel Ferreira Patrício, sobre o MIL e a NOVA ÁGUIA

Manuel Ferreira Patrício, sobre o MIL e a NOVA ÁGUIA
In AA.VV. "A Vida como Projecto. na senda de Ortega e Gasset", Universidade de Évora Edições, 2014, p. 13.

quinta-feira, 14 de outubro de 2021

NOVA ÁGUIA nº 28: Capa, Editorial e Índice...

Antes da Pandemia, em Novembro de 2019, a NOVA ÁGUIA e o MIL (Movimento Internacional Lusófono), em parceria, como é nosso hábito, com outras entidades (académicas, culturais e cívicas), promoveram dois relevantes eventos: o VI Congresso da Cidadania Lusófona e o Congresso Eça de Queiroz, nos 150 anos da abertura do Canal do Suez. No vigésimo oitavo número da nossa Revista, começamos por publicar os melhores textos apresentados, em primeira mão, nesses dois Congressos, que iremos retomar neste ano de 2021: com o VII Congresso da Cidadania Lusófona e o II Congresso Eça de Queiroz – 150 anos, agora a propósito da publicação d’O Mistério da Estrada de Sintra, das Conferências Democráticas do Casino Lisbonense e do início da publicação d’As Farpas.

Em “Outros Vultos”, começamos por publicar mais um marcante ensaio – sobre Antero de Quental e Guerra Junqueiro – de António Braz Teixeira, decerto o maior hermeneuta vivo do nosso universo filosófico e cultural, não só português mas, mais amplamente, lusófono, como mais recentemente se comprova pelos três livros editados, neste último ano, com a chancela do MIL: A Vida Imaginada: Textos sobre Teatro e Literatura (2020); Interrogação e Discurso: estudos sobre filosofia luso-brasileira e ibérica (2021); A saudade na poesia lusófona africana e outros estudos sobre a saudade (2021). Nesta secção, evocamos ainda dois dos nomes maiores da Filosofia Brasileira no último meio século – Miguel Reale e António Paim –, este falecido no derradeiro dia de Abril do ano em curso.

Em “Outros Voos”, publicamos mais de uma dezena de textos, de temática diversa, começando com um excelso ensaio de António José Borges sobre “O que é ser português?”, e, em “Extravoo”, uma entrevista a João de Melo, sobre a forma como tem atravessado, enquanto escritor, o período pandémico. Depois, damos o devido destaque à publicação das “Obras Escolhidas” de Manuel Ferreira Patrício (entretanto falecido em Setembro), provavelmente o acontecimento editorial do ano, e, no “Bibliáguio”, a par de outras publicações recentes, destacamos igualmente a Colecção “Mestres da Língua Portuguesa”, de Jorge Chichorro Rodrigues. Por fim, temos uma nova secção, que se manterá nos próximos números, “Moradas: Caderno poético e visual”, coordenada por Samuel Dimas, Vice-Director da Revista, com a qual iremos reforçar a asa poética da NOVA ÁGUIA, a par da asa ensaística que, já perto das três dezenas de números, mais tem marcado, e notabilizado, este nosso Voo.

Editorial…5

Até sempre, Manuel Ferreira Patrício…6

VI CONGRESSO DA CIDADANIA LUSÓFONA

A ETNIA E A CULTURA | Adriano Moreira…8

REFLEXÕES DE UM JOVEM GUINEENSE | Braima Cassamá…11

O PAPEL DA LUSOFONIA NOS PRÓXIMOS DEZ ANOS | Carlos Lisboa…12

LITERATURA, CIDADANIA: OS DESAFIOS DO ENSINO DE LITERATURAS EM LÍNGUA PORTUGUESA NO BRASIL | Danglei de Castro Pereira…15

POR UMA DISCUSSÃO FRANCA E ABERTA NO SEIO DA CPLP | Delmar Maia Gonçalves…20

DESAFIOS PARA A LUSOFONIA NA PRÓXIMA DÉCADA | Elter Carlos…21

OS VALORES LUSÓFONOS | Luísa Timóteo…23

PRIORIDADES GALEGAS PARA A LUSOFONIA | Maria Dovigo…24

O TESTEMUNHO DE UM TIMORENSE | Ximenes Belo…26

EÇA DE QUEIROZ, NOS 150 ANOS DA ABERTURA DO CANAL DO SUEZ

EÇA DE QUEIROZ, AS BAILARINAS DO SUEZ, FATMÉ E A ALMEIA DE FLAUBERT | Ana Margarida Chora…30

EÇA DE QUEIRÓS, ENTRE A IMPRENSA E A LITERATURA: A PROPÓSITO “DE PORT SAID A SUEZ” | Annabela Rita…39

VESTÍGIOS DE KANT NA ANTROPOLOGIA ECIANA (A PROPÓSITO DA VIAGEM DE EÇA DE QUEIROZ À INAUGURAÇÃO DO CANAL DO SUEZ) | César Tomé…45

EÇA DE QUEIROZ, O «IRÓNICO PEREGRINO» DO ROMANCE «A RELÍQUIA» | Jorge Chichorro Rodrigues…55

TRAVESSIAS DE EÇA DE QUEIROZ ENTRE A INAUGURAÇÃO DO CANAL DE SUEZ E O COMEÇO LITERÁRIO | Maged Talaat Mohamed Ahmed Elgebaly…58

O EGYPTO: NOTAS DE VIAGEM OU VISÕES DO ORIENTE DE EÇA DE QUEIRÓS | Maria Cristina Pais Simon…69

RASCUNHO PARA UM ATLAS DO ROMANCE QUEIROSIANO | Mónica Figueiredo…78

A INFLUÊNCIA DO ORIENTE NA FICÇÃO QUEIROSIANA | Paula Oleiro…84

PAISAGEM SOCIAL E ESTEREÓTIPO, ESTESIA E ESPALHAFATO: O EGIPTO VISITADO POR EÇA DE QUEIRÓS (1869) E FERREIRA DE CASTRO (1935) | Ricardo António Alves…91

“CÂNTICO DA CARNE EXALTADA” OU “EXIBIÇÃO IMORAL”? A ORIGINALIDADE E VANGUARDISMO DE EÇA DE QUEIROZ  NA SUA INTERPRETAÇÃO DAS DANÇAS DO MÉDIO-ORIENTE NO FIN DE SIÈCLE | Vera Mahsati…99

OUTROS VULTOS

ANTERO DE QUENTAL e GUERRA JUNQUEIRO | António Braz Teixeira…112

ANTÓNIO FEIJÓ | Maria do Carmo Mendes…116

ARNALDO PINHO | José Acácio Castro…118

CHARLES BAUDELAIRE | Rodrigo Sobral Cunha…123

JOSÉ RIBEIRO DIAS | Emanuel Oliveira Medeiros…126

MANUEL ANTUNES e MIGUEL TORGA | José Lança-Coelho…132

MIRCEA ELIADE | José Almeida…133

RAUL BRANDÃO | Joaquim Domingues…135

RAUL PROENÇA | Nuno Sotto Mayor Ferrão…143

REALE | José Maurício de Carvalho…147

PAIM | Humberto Schubert Coelho…156

OUTROS VOOS

O QUE É SER PORTUGUÊS? (OU O QUE HÁ-DE SER O PORTUGUÊS) | António José Borges…158

REFORMA, CONTRARREFORMA E UNIVERSALIZAÇÃO DO ENSINO E EDUCAÇÃO | Artur Manso…162

IMPERATIVO MORAL E CRISTIANISMO POPULAR NA PARÁBOLA EXISTENCIAL E LITERÁRIA DE IGNAZIO SILONE | Brunello Natale De Cusatis…171

UMA REPÚBLICA COM UM REI: A EVOLUÇÃO POLÍTICA DO CONSTITUCIONALISMO LIBERAL PORTUGUÊS (1834-1910) | Daniel Sousa…174

PARA UMA ETICIDADE POLÍTICA – COMUNIDADE, IDENTIDADE E CONFLITO SOCIAL: CONVULSÕES, FRICÇÕES E SOLUÇÕES | Joaquim Pinto…186

O MAR E A UNIVERSALIDADE DA LÍNGUA PORTUGUESA | José Manuel Malhão Pereira…195

O IMPACTO DA HERMENÊUTICA FENOMENOLÓGICA DE MARTIN BUBER NA PSICOLOGIA EXISTENCIAL DE VIKTOR FRANK: EDUCAÇÃO E SAÚDE | José Maurício de Carvalho, Stela Kasia Guimarães e Wallace Félix Cabral Silva…204

DO INVISÍVEL PANDÉMICO AO ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA DE JOSÉ SARAMAGO | Luís de Barreiros Tavares…214

DIÁLOGO ENTRE UMA PEÇA DE BERNARDO SANTARENO E UM ROMANCE DE RUBEN A. | Paula Oleiro…219

DEAMBULAÇÕES PRÓ-LUSÓFONAS | Renato Epifânio…224

AUTOBIOGRAFIA 9 | Samuel Dimas…229

EXTRAVOO

JOÃO DE MELO: A ESCRITA E A PANDEMIA | Ivonia Nahak Borges…242

OBRAS ESCOLHIDAS DE MANUEL FERREIRA PATRÍCIO (1938-2021)

PREFÁCIOS ÀS OBRAS ESCOLHIDAS DE MANUEL FERREIRA PATRÍCIO | Renato Epifânio…246

EM HOMENAGEM A MANUEL FERREIRA PATRÍCIO, NA EDIÇÃO DAS OBRAS ESCOLHIDAS | Samuel Dimas…251

EDUCAÇÃO, CULTURA E ESCOLA: NA SENDA DE MANUEL FERREIRA PATRÍCIO | Emanuel Oliveira Medeiros…254

BIBLIÁGUIO

MESTRES DA LÍNGUA PORTUGUESA (II) | Jorge Chichorro Rodrigues…258

PERCURSOS COM SENTIDO | Renato Epifânio…261

O TRIÂNGULO DA DEMOCRACIA | Renato Epifânio…261

LUSITANIA – ROMA NELLA LETTERATURA PORTOGHESE E BRASILIANA DEL NOVECENTO | José Almeida…262

ANTOLOGIA: GOULART NOGUEIRA | José Almeida…264

A SEGUNDA VIDA DE FERNANDO PESSOA | José Almeida…265

POEMÁGUIO

REQUIEM | Samuel Dimas…6

A PALAVRA ÚNICA | Pedro Vistas…27

A VIDA QUE HÁ EM TI; SUBIDA À MONTANHA | António José Borges…28

POETA | Delmar Maia Gonçalves…29

VECCHIO ALENTEJANO | Fabrizio Boscaglia...29

PERRA PALAVRA; CONVERSAS AO CARGO | Luísa Costa Macedo…90

ATÉ À MORTE DOS RIOS | J. Castro Araújo…111

MÁSCARAS | Maria José Leal…111

LUZ | Luísa Borges…157

DESTROÇO | Maria Leonor Xavier…157

A MORTE DA MUSA; NOTURNO AO GÉNIO VORAZ | Jaime Otelo…244

FANTASIA | Joel Henriques…245

SAN MINIATO AL MONTE | José Rui Teixeira…266

ANTÓNIO QUADROS | Jesus Carlos…267

SOPHIA | Renato Epifânio…267

MORADAS: CADERNO POÉTICO E VISUAL

O ESCURO ANTERIOR | Luís Carlos Patraquim – com fotos de Salomé Duarte e design de Fernando Estevens...268

MEMORIÁGUIO…280

MAPIÁGUIO…281

ASSINATURAS…281

COLECÇÃO NOVA ÁGUIA…284

Primeiros Lançamentos: 14 de Outubro, 18h, Biblioteca Nacional de Portugal (Lisboa); 15 de Outubro, 18h, Palácio Valenças (Sintra).