EM TODO O PAÍS & MUNDO LUSÓFONO: LANÇAMENTOS NOVA ÁGUIA: REVISTA DE CULTURA PARA O SÉCULO XXI

Desde 2008, "a única revista portuguesa de qualidade que, sem se envergonhar nem pedir desculpa, continua a reflectir sobre o pensamento português".

A Águia foi uma das mais importantes revistas do início do século XX em Portugal, em que colaboraram algumas das mais relevantes figuras da nossa Cultura, como Teixeira de Pascoaes, Jaime Cortesão, Raul Proença, Leonardo Coimbra, António Sérgio, Fernando Pessoa e Agostinho da Silva.

A NOVA ÁGUIA pretende ser uma homenagem a essa tão importante revista da nossa História, procurando recriar o seu “espírito”, adaptado ao século XXI, conforme se pode ler no nosso
Manifesto.

Tal como n’ A Águia, procuraremos o contributo das mais relevantes figuras da nossa Cultura...

Para o 26º número, os textos devem ser enviados até ao final de Junho.

Sede Editorial: Zéfiro - Edições e Actividades Culturais, Apartado 21 (2711-953 Sintra).
Sede Institucional: MIL - Movimento Internacional Lusófono, Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa).

Contactos: novaaguia@gmail.com ; 967044286.

Capa da NOVA ÁGUIA 24

Capa da NOVA ÁGUIA 24

EDITORIAL NOVA ÁGUIA 24

As personalidades maiores (ou mais aquilinas) são aquelas que mais transcendem fronteiras – culturais, religiosas ou ideológicas. Pela amostra (significativa – mais de uma dúzia) de testemunhos que aqui recolhemos, proferidos numa sessão em sua Homenagem promovida pelo Instituto de Filosofia Luso-Brasileira, no dia 10 de Maio do corrente ano, no Palácio da Independência, João Bigotte Chorão foi, de facto, uma personalidade maior da nossa cultura lusófona.

Personalidade não menor foi a de Afonso Botelho, que completaria no dia 4 de Fevereiro 100 anos. Igualmente por iniciativa do Instituto de Filosofia Luso-Brasileira, realizou-se, nesse exacto dia, também no Palácio da Independência, um Colóquio que abordou as diversas facetas do seu pensamento e obra. São os textos então apresentados (com mais alguns entretanto chegados) que aqui publicamos (mais de uma dezena e meia de textos).

Dois mil e dezanove tem sido um ano especialmente rico em centenários. Para além de Afonso Botelho, evocamos aqui igualmente Jorge de Sena e José Hermano Saraiva. Para o próximo número, fica desde já prometida a evocação de Joel Serrão e de Sophia de Mello Breyner Andresen, onde iremos também recordar Agustina Bessa-Luís, recentemente falecida, no início deste semestre, que marcou ainda presença na NOVA ÁGUIA – logo no primeiro número, onde publicámos um texto seu intitulado “O fantasma que anda no meu jardim”, que termina desta forma: “Voltaremos a encontrar-nos”. Até sempre, Agustina!

Ainda no vigésimo quarto número da NOVA ÁGUIA, para além do “Poemáguio” e do “Memoriáguio” (duas secções igualmente clássicas), publicamos cerca de uma dezena de “Outros Voos” e, em “Extavoo”, mais um capítulo da segunda parte (inédita) da Vida Conversável, de Agostinho da Silva, bem como a série completa das “Cartas sem resposta” de João Bigotte Chorão –, algumas das quais já publicadas em números anteriores da nossa revista. No “Bibliáguio”, por fim, publicamos mais de meia dúzia de recensões de obras que despertaram a atenção do nosso olhar aquilino.


A Direcção da NOVA ÁGUIA


Post Scriptum: Já na fase final da composição deste número, a 27 de Julho, faleceu, aos oitenta anos, Pinharanda Gomes, Sócio Honorário do MIL: Movimento Internacional Lusófono, um dos mais importantes colaboradores da NOVA ÁGUIA, desde o primeiro número (até este que aqui se apresenta, com dois ensaios que nos fez chegar no primeiro semestre deste ano), e, sob todos os pontos de vista, uma das mais relevantes figuras da cultura lusófona do último meio século (facto que só por ignorância ou má-fé pode ser contestado). Por isso, no próximo número da revista, teremos, logo a abrir, uma série de Textos e Testemunhos em sua Homenagem.

NOVA ÁGUIA Nº 24: ÍNDICE

Editorial…5
HOMENAGEM A JOÃO BIGOTTE CHORÃO
Textos e Testemunhos de J. Pinharanda Gomes (p. 8), Alfredo Campos Matos (p. 22), Annabela Rita (p. 22), António Braz Teixeira (p. 24), António Cândido Franco (p. 24), António Leite da Costa (p. 25), António Manuel Pires Cabral (p. 26), Artur Anselmo (p. 27), Eugénio Lisboa (p. 27), Isabel Ponce de Leão (p. 29), Jaime Nogueira Pinto (p. 29), Miguel Real (31), Paulo Ferreira da Cunha (p. 39) e Paulo Samuel (p. 41).
NOS 100 ANOS DE AFONSO BOTELHO
APOLOGIA E HERMENÊUTICA NA OBRA DE AFONSO BOTELHO | António Braz Teixeira…48
AFONSO BOTELHO SEMI-INÉDITO | António Cândido Franco…57
AFONSO BOTELHO NO 57: MOVIMENTO DE CULTURA PORTUGUESA | Artur Manso…59
EDUCAÇÃO E SAUDADE EM AFONSO BOTELHO | Emanuel Oliveira Medeiros…65
HUMANISMO ESPERANÇOSO DE AFONSO BOTELHO | Guilherme d’Oliveira Martins…86
À MEMÓRIA DE AFONSO BOTELHO | J. Pinharanda Gomes…88
AFONSO BOTELHO: TESTEMUNHO BREVE | Joaquim Domingues…90
AFONSO BOTELHO, UM ARISTOCRATA EXEGETA DE D. DUARTE | José Almeida…92
TESTEMUNHO E HOMENAGEM A AFONSO BOTELHO | José Esteves Pereira…97
MITO E MITOS FUNDANTES: A POSSIBILIDADE DO DISCURSO DA SAUDADE | Luís Lóia…98
O TEMA DA SAUDADE NA TEORIA DO AMOR E DA MORTE DE AFONSO BOTELHO | Manuel Cândido Pimentel…104
AFONSO BOTELHO: DA RAZÃO E DO CORAÇÃO | Maria de Lourdes Sirgado Ganho…108
AFONSO BOTELHO, DO PENSAMENTO À ESCRITA FICCIONAL NO 57: UMA ABORDAGEM DO CONTO O INCONFORMISTA | Maria Luísa de Castro Soares…112
A FICÇÃO DE AFONSO BOTELHO | Miguel Real…118
DA FILOSOFIA COMO “SABEDORIA DO AMOR”: ENTRE JOSÉ MARINHO E AFONSO BOTELHO | Renato Epifânio…125
A RENÚNCIA DO MAL NA METAFÍSICA CRISTÃ DA REDENÇÃO DE AFONSO BOTELHO | Samuel Dimas...127
SOBRE A MÓNADA HOMEMULHER EM AFONSO BOTELHO | Teresa Dugos-Pimentel…139
OUTRAS EVO(O)CAÇÕES: JORGE DE SENA E JOSÉ HERMANO SARAIVA
A CRÍTICA LITERÁRIA EM JORGE DE SENA | Miguel Real…146
JOSÉ HERMANO SARAIVA: HISTORIADOR E DIVULGADOR DA CULTURA PORTUGUESA | Nuno Sotto Mayor Ferrão…151
OUTROS VOOS
A MANEIRA PORTUGUESA DE ESTAR NO MUNDO | Adriano Moreira…162
O PENSAMENTO ESTÉTICO DE EDUARDO LOURENÇO | António Braz Teixeira…165
O SENTIDO FILOSÓFICO-TEOLÓGICO DA LUZ EM “VIRGENS LOUCAS” DE ANTÓNIO AURÉLIO GONCALVES | Elter Manuel Carlos…170
OS AÇORES E O MAR – O POVO, SOCIEDADE(S) E TERRITÓRIOS | Emanuel Oliveira Medeiros…176
SOBRE OS INÉDITOS DE JUNQUEIRO | Joaquim Domingues…188
VIVÊNCIAS COM MÁRIO CESARINY E FERNANDO GRADE: POETAS E PINTORES | Luís de Barreiros Tavares…194
SENTIDO E VALOR ACTUAIS DA MONARQUIA: UMA PERSPECTIVA TEÓRICO-CONSTITUCIONAL | Pedro Velez…197
CINCO DEAMBULAÇÕES PRÓ-LUSÓFONAS| Renato Epifânio…199
AUTOBIOGRAFIA 6 | Samuel Dimas…204
EXTRAVOO
VIDA CONVERSÁVEL - SEGUNDA PARTE (CONTINUAÇÃO) | Agostinho da Silva…220
CARTAS SEM RESPOSTA | João Bigotte Chorão…227
BIBLIÁGUIO
ARISTÓTELES EM NOVA PERSPECTIVA | Joaquim Domingues…256
A ESCOLA PORTUENSE EM QUESTÃO | Elísio Gala…256
LEONARDO COIMBRA: VIDA E FILOSOFIA | José Esteves Pereira…258
EUDORO DE SOUSA E A PRESENÇA DO MITO NA FILOSOFIA PORTUGUESA | Samuel Dimas…262
TABULA RASA II & ESTUDOS SOBRE HEIDEGGER | Renato Epifânio…263
PEITO À JANELA SEM CORAÇÃO AO LARGO | Onésimo Teotónio Almeida…264
ESPÍRITOS DAS LUZES | Anabela Ferreira…266
POEMÁGUIO
CATATÓNICO; GOLGOTHA | António José Borges…46
SEU HÁBITO MELHOR | Jaime Otelo…47
“NASCERÁ O MAIOR AMOR…” | Catarina Inverno…144
FUNDURA | Maria Leonor Xavier…145
MACAU | António José Queiroz…159
CANÇÃO SUPREMA | Carla Ribeiro…160
COMO PODEM ESPERAR | Delmar Maia Gonçalves…161
PELOS SENTIDOS | Juvenal Bucuane…161
NUME | Luísa Borges…218
STELA | Jesus Carlos…219
MIMNERNO E AS FOLHAS CAÍDAS DE JÚDICE | Susana Marta Pereira…254
LARGO | Joel Henriques…255
PARA O HERBERTO HELDER | Manoel Tavares Rodrigues-Leal…267
SEGUNDA VARIAÇÃO | José Luís Hopffer C. Almada…268
MEMORIÁGUIO…272
MAPIÁGUIO…273
ASSINATURAS…273
COLECÇÃO NOVA ÁGUIA…274

Lançamento da NOVA ÁGUIA 24

Lançamento da NOVA ÁGUIA 24
18 de Outubro, no Palácio da Independência (na foto: Abel Lacerda Botelho, Renato Epifânio e António Braz Teixeira). Para ver o vídeo, clicar sobre a imagem...

Para agendar um lançamento: novaaguia@gmail.com; 967044286.

MAPIÁGUIO (mapa de locais de lançamentos da NOVA ÁGUIA): Albufeira, Alcochete, Alcoutim, Alhos Vedros, Aljezur, Aljustrel, Allariz (Galiza), Almada, Almodôvar, Alverca, Amadora, Amarante, Angra do Heroísmo, Arraiolos, Assomada (Cabo Verde), Aveiro, Azeitão, Baía (Brasil), Bairro Português de Malaca (Malásia), Barcelos, Batalha, Beja, Belo Horizonte (Brasil), Bissau (Guiné), Bombarral, Braga, Bragança, Brasília (Brasil), Cacém, Caldas da Rainha, Caneças, Campinas (Brasil), Carnide, Cascais, Castro Marim, Castro Verde, Chaves, Cidade Velha (Cabo Verde), Coimbra, Coruche, Díli (Timor), Elvas, Ericeira, Espinho, Estremoz, Évora, Faial, Faro, Felgueiras, Figueira da Foz, Freixo de Espada à Cinta, Fortaleza (Brasil), Guimarães, João Pessoa (Brasil), Juiz de Fora (Brasil), Lagoa, Lagos, Leiria, Lisboa, Loulé, Loures, Luanda (Angola), Mafra, Mangualde, Marco de Canavezes, Mem Martins, Messines, Mindelo (Cabo Verde), Mira, Montargil, Montijo, Murtosa, Nazaré, Nova Iorque (EUA), Odivelas, Oeiras, Olhão, Ourense (Galiza), Ovar, Pangim (Goa), Pisa (Itália), Ponte de Sor, Pontevedra (Galiza), Portalegre, Portimão, Porto, Praia (Cabo Verde), Queluz, Recife (Brasil), Redondo, Régua, Rio de Janeiro (Brasil), Rio Maior, Sabugal, Sacavém, Sagres, Santarém, Santiago de Compostela (Galiza), São Brás de Alportel, São João da Madeira, São João d’El Rei (Brasil), São Paulo (Brasil), Seixal, Sesimbra, Setúbal, Silves, Sintra, Tavira, Tomar, Torres Novas, Torres Vedras, Trofa, Turim (Itália), Viana do Castelo, Vila do Bispo, Vila Meã, Vila Nova de Cerveira, Vila Nova de Foz Côa, Vila Nova de São Bento, Vila Real, Vila Real de Santo António e Vila Viçosa.

Nota: Muitos destes lançamentos, não só no país como por todo o espaço lusófono, só têm sido possíveis pelo apoio que a este projecto tem sido dado, desde a primeira hora, pelo MIL: Movimento Internacional Lusófono. O nosso público reconhecimento por isso. Desta forma, a NOVA ÁGUIA tem tido uma projecção não apenas estritamente nacional mas lusófona.

PARA ASSINAR A NOVA ÁGUIA:

https://zefiro.pt/as-nossas-coleccoes-zefiro-revista-nova-aguia-assinaturas

O "3º momento alto" da nossa tradição filosófico-cultural

O "3º momento alto" da nossa tradição filosófico-cultural
Ângelo Alves, "A Corrente Idealistico-gnóstica do pensamento português contemporâneo"

Manuel Ferreira Patrício, sobre o MIL e a NOVA ÁGUIA

Manuel Ferreira Patrício, sobre o MIL e a NOVA ÁGUIA
In AA.VV. "A Vida como Projecto. na senda de Ortega e Gasset", Universidade de Évora Edições, 2014, p. 13.

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Luís António Verney e a cultura luso-brasileira do seu tempo



AA.VV., "Luís António Verney e a cultura luso-brasileira do seu tempo", coord. de António Braz Teixeira, Octávio dos  Santos e Renato Epifânio, Lisboa, MIL/ DG Edições, 2016, 447 pp.
I - Verney e o seu tempo; II - Contemporâneos de Verney; III - Posteridade de Verney
ISBN: 978-989-8661-59-3
O presente volume recolhe os textos das comunicações apresentadas no Congresso Internacional “Luís António Verney e a Cultura Luso-Brasileira do seu tempo”, realizado, em Lisboa, na Biblioteca Nacional de Portugal, de 16 a 18 de Setembro de 2013, e no Colóquio “No tricentenário de Luís António Verney”, organizado pelo Centro de Estudos de História e Filosofia da Ciência e pelo Centro de Estudos em Letras, da Universidade de Évora, onde decorreu, de 21 a 23 de Março do ano seguinte.

ÍNDICE I - VERNEY E O SEU TEMPO Manuel Curado | NÓTULA SOBRE A LÓGICA DE LUÍS ANTÓNIO VERNEY Manuel Cândido Pimentel | A METAFÍSICA DE LUÍS ANTÓNIO VERNEY António Braz Teixeira | O PENSAMENTO ÉTICO DE LUÍS ANTÓNIO VERNEY Jorge Teixeira da Cunha | A ÉTICA E A MORAL EM LUÍS ANTÓNIO VERNEY António Cândido Franco | O LUGAR DA POESIA EM LUÍS ANTÓNIO VERNEY Duarte Ivo Cruz | LUIS ANTÓNIO VERNEY E A ARCÁDIA LUSITANA - DOUTRINA E PRÁTICA DO TEATRO Maria de Fátima Nunes | CULTURA FÍSICA, CULTURA TÉCNICA E MODERNIDADE EM LUÍS ANTÓNIO VERNEY Augusto José dos Santos Fitas | A FÍSICA E A MATEMÁTICA NO SÉCULO XVIII – CONTRIBUIÇÕES PARA O ESTUDO DO NEWTONIANISMO NA PRIMEIRA OBRA DE VERNEY Francisco António Lourenço Vaz | AS IDEIAS ECONÓMICAS DE LUÍS ANTÓNIO VERNEY Rui de Figueiredo Marcos | VERNEY NO DIREITO DO SEU TEMPO E O DIREITO NO TEMPO DE VERNEY José Eduardo Franco | VERNEY E OS JESUÍTAS NO QUADRO DA CRÍTICA ILUMINISTA ÀS ORDENS RELIGIOSAS Mário Vieira de Carvalho | O ILUMINISMO E O DEBATE TEOLÓGICO EM TORNO DA ÓPERA EM PORTUGAL Helena Murteira | LISBOA NO TEMPO DE VERNEY: DA TRADIÇÃO À MODERNIDADE Maria Alexandra Trindade Gago da Câmara | ENTRE LISBOA E ROMA: ESPAÇOS E QUOTIDIANOS DE LUÍS ANTÓNIO VERNEY (1713-1792) Maria do Céu Fonseca | O CULTIVO DOS IDIOMAS NACIONAIS AO TEMPO DE VERNEY Armando Martins | A PRODUÇÃO DA UNIVERSIDADE DE ÉVORA ANTES E AO TEMPO DE VERNEY: ALGUMAS OBSERVAÇÕES Helena Nadal Sánchez | A “POLÉMICA VERNEIANA” E A REFORMA DA UNIVERSIDADE: DUAS IMPRESSÕES DE LUÍS ANTÓNIO DE VERNEY EM ESPANHA II - CONTEMPORÂNEOS DE VERNEY Anna Maria Moog | NUNO MARQUES PEREIRA: COMPÊNDIO NARRATIVO DO PEREGRINO DA AMÉRICA Rodrigo Sobral Cunha | NOTÍCIA SOBRE JACOB DE CASTRO SARMENTO Luís Lóia | ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE «A EDUCAÇÃO DE UM MENINO NOBRE», DE MARTINHO DE MENDONÇA Manuel Ferreira Patrício | O INTERESSE FILOSÓFICO E PEDAGÓGICO DE MARTINHO DE MENDONÇA SOBRE A REFLEXÃO FILOSÓFICA DE LEIBNIZ SOBRE O ESPAÇO E O TEMPO Luís Manuel A.V. Bernardo | MANUEL DE AZEVEDO FORTES, UM CARTESIANO CONVICTO Maria Manuela Brito Martins | O CONTRIBUTO DO PE. JOÃO BAPTISTA DE CASTRO PARA A HISTÓRIA NACIONAL NA SUA OBRA «MAPPA DE PORTUGAL» Maria Manuela Brito Martins | O PENSAMENTO FILOSÓFICO DO PE. JOÃO BAPTISTA (1705?-1761) Miguel Real | A ÉTICA DA FELICIDADE EM “CARTA SOBRE A FORTUNA” DE MATIAS AIRES António Braz Teixeira | A REFLEXÃO MORAL DE FELICIANO DE SOUSA NUNES Samuel Dimas | O RACIONALISMO ILUMINISTA DE ANTÓNIO RIBEIRO SANCHES: PARA A DEFESA DE UM HUMANISMO SECULARISTA Marta Mendonça | A DIVULGAÇÃO DA FILOSOFIA E DA CIÊNCIA MODERNAS NA SEGUNDA METADE DO SÉCULO XVIII – VERNEY E TEODORO DE ALMEIDA José Gama | INÁCIO MONTEIRO, FILÓSOFO PORTUGUÊS E EUROPEU - UMA "FILOSOFIA LIVRE" Miguel Corrêa Monteiro | O JESUÍTA INÁCIO MONTEIRO E LUÍS ANTÓNIO VERNEY FACE ÀS NOVAS CORRENTES DE PENSAMENTO Paulo Ferreira da Cunha | REVISITAR TOMÁS ANTÓNIO GONZAGA NO CONTEXTO DO JUSRACIONALISMO LUSO-BRASILEIRO Joaquim Domingues | ANTÓNIO PEREIRA DE FIGUEIREDO E O PROJECTO JOANINO III - POSTERIDADE DE VERNEY Margarida Amoedo | A UNIVERSIDADE COMO “A MAIS ALTA REPRESENTAÇÃO DA CULTURA” João Príncipe | SÉRGIO E VERNEY: O HUMANISMO CIENTÍFICO E A REFORMA DE MENTALIDADES Renato Epifânio | VERNEY ENQUANTO “MITO CULTURAL” – A CRÍTICA DE JOSÉ MARINHO Pedro Martins | VERNEY E ANTÓNIO TELMO: UM DIÁLOGO SOBRE CAMÕES J. Pinharanda Gomes | ANTÓNIO ALBERTO BANHA DE ANDRADE (1915-1982), CRÍTICO DE VERNEY Octávio dos Santos | «VER» VERNEY, UM DEVER, SEMPRE Outras obras promovidas pelo MIL: