A Águia, órgão do Movimento da Renascença Portuguesa, foi uma das mais importantes revistas do início do século XX em Portugal. No século XXI, a Nova Águia, órgão do MIL: Movimento Internacional Lusófono, tem sido cada vez mais reconhecida como "a única revista portuguesa de qualidade que, sem se envergonhar nem pedir desculpa, continua a reflectir sobre o pensamento português". 
Sede Editorial: Zéfiro - Edições e Actividades Culturais, Apartado 21 (2711-953 Sintra). 
Sede Institucional: MIL - Movimento Internacional Lusófono, Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa). 
Contactos: novaaguia@gmail.com ; 967044286. 

Donde vimos, para onde vamos...

Donde vimos, para onde vamos...
Ângelo Alves, in "A Corrente Idealistico-gnóstica do pensamento português contemporâneo".

Manuel Ferreira Patrício, in "A Vida como Projecto. Na senda de Ortega e Gasset".

Onde temos ido: Mapiáguio (locais de lançamentos da NOVA ÁGUIA)

Albufeira, Alcáçovas, Alcochete, Alcoutim, Alhos Vedros, Aljezur, Aljustrel, Allariz (Galiza), Almada, Almodôvar, Alverca, Amadora, Amarante, Angra do Heroísmo, Arraiolos, Assomada (Cabo Verde), Aveiro, Azeitão, Baía (Brasil), Bairro Português de Malaca (Malásia), Barcelos, Batalha, Beja, Belmonte, Belo Horizonte (Brasil), Bissau (Guiné), Bombarral, Braga, Bragança, Brasília (Brasil), Cacém, Caldas da Rainha, Caneças, Campinas (Brasil), Carnide, Cascais, Castro Marim, Castro Verde, Chaves, Cidade Velha (Cabo Verde), Coimbra, Coruche, Díli (Timor), Elvas, Ericeira, Espinho, Estremoz, Évora, Faial, Famalicão, Faro, Felgueiras, Figueira da Foz, Freixo de Espada à Cinta, Fortaleza (Brasil), Guarda, Guimarães, João Pessoa (Brasil), Juiz de Fora (Brasil), Lagoa, Lagos, Leiria, Lisboa, Loulé, Loures, Luanda (Angola), Mafra, Mangualde, Marco de Canavezes, Mem Martins, Messines, Mindelo (Cabo Verde), Mira, Mirandela, Montargil, Montijo, Murtosa, Nazaré, Nova Iorque (EUA), Odivelas, Oeiras, Olhão, Ourense (Galiza), Ovar, Pangim (Goa), Pinhel, Pisa (Itália), Ponte de Sor, Pontevedra (Galiza), Portalegre, Portimão, Porto, Praia (Cabo Verde), Queluz, Recife (Brasil), Redondo, Régua, Rio de Janeiro (Brasil), Rio Maior, Sabugal, Sacavém, Sagres, Santarém, Santiago de Compostela (Galiza), São Brás de Alportel, São João da Madeira, São João d’El Rei (Brasil), São Paulo (Brasil), Seixal, Sesimbra, Setúbal, Silves, Sintra, Tavira, Teresina (Brasil), Tomar, Torres Novas, Torres Vedras, Trofa, Turim (Itália), Viana do Castelo, Vigo (Galiza), Vila do Bispo, Vila Meã, Vila Nova de Cerveira, Vila Nova de Foz Côa, Vila Nova de São Bento, Vila Real, Vila Real de Santo António e Vila Viçosa.

domingo, 14 de abril de 2024

De Pedro Vistas: “A Luz dos Lusos: Ensaios de Filosofia Filosofante a propósito de Luminares da Cultura Portuguesa”


Pedro Vistas é, claramente, um dos espíritos filosóficos mais potentes da mais jovem geração. Alguns dos seus textos que conhecíamos – como os publicados na Revista NOVA ÁGUIA – já o indiciavam suficientemente. Este livro – A Luz dos Lusos: Ensaios de Filosofia Filosofante a propósito de Luminares da Cultura Portuguesa – prova-o cabalmente.

O título e o subtítulo da obra são, a esse respeito, particularmente adequados. Trata-se, com efeito, de uma “filosofia filosofante”, ou seja, de uma “filosofia viva”. O autor dialoga aqui com outros autores “de igual para igual” – o que, se noutros casos seria apenas pretensioso, neste caso é tão-só a melhor forma – melhor dito, a única forma – de mais os iluminar.

José Marinho, o mais potente espírito filosófico de todo o século XX português, escreveu que “quando expomos um pensador devemos dar toda a força ao seu pensamento” – como defendeu ainda, citando Schopenhauer, “tal atitude é, em relação a eles, a mais adequada e é, para o nosso próprio pensamento, a mais proveitosa”. E, por isso, a respeito do seu Mestre, acrescentou enfim: “…certo que na obra de Leonardo Coimbra há sombras. Mas a tarefa da crítica não foi nunca a de diminuir o mais elevado até à altura do mais baixo.”.

Neste seu reluzente livro, Pedro Vistas prova de igual modo ser, nesse aspecto, plenamente marinhiano – pois que também ele “dá toda a força”, ou toda a luz possível, aos autores com quem aqui mais dialoga, nomeadamente: Sophia de Mello Breyner Andresen, Fernando Pessoa, Teixeira de Pascoaes, António Quadros, Agostinho da Silva, Domingos Sequeira e Raul Leal.

Dizemos “mais dialoga” porque, não obstante serem esses os autores de referência deste livro, e que justificam as suas oito partes, muitos outros autores (sobretudo, mas não apenas, da História da Filosofia, a começar pelos Gregos) são igualmente convocados, o que denota bem a sua sólida formação. Em suma: com este seu reluzente livro, Pedro Vistas faz o seu “baptismo de fogo” e prova (aos mais distraídos) que temos entre nós mais um Filósofo. Porque não há muitos – com F maiúsculo –, saudemos pois efusivamente este “nascimento”. A Filosofia Portuguesa – ou Lusófona, como preferimos dizer – bem (de ti) necessita.

Renato Epifânio

- "A Luz dos Lusos: Ensaios de Filosofia Filosofante a propósito de Luminares da Cultura Portuguesa"

MIL/ DG Edições, 2023, 254 pp.

ISBN: 978-989-35021-6-7

Para encomendar: info@movimentolusofono.org

Vídeo da sessão de Apresentação da Obra: https://www.youtube.com/watch?v=tscDKK1xKmU