EM TODO O PAÍS & MUNDO LUSÓFONO: LANÇAMENTOS NOVA ÁGUIA: REVISTA DE CULTURA PARA O SÉCULO XXI

Desde 2008, "a única revista portuguesa de qualidade que, sem se envergonhar nem pedir desculpa, continua a reflectir sobre o pensamento português".

A Águia foi uma das mais importantes revistas do início do século XX em Portugal, em que colaboraram algumas das mais relevantes figuras da nossa Cultura, como Teixeira de Pascoaes, Jaime Cortesão, Raul Proença, Leonardo Coimbra, António Sérgio, Fernando Pessoa e Agostinho da Silva.

A NOVA ÁGUIA pretende ser uma homenagem a essa tão importante revista da nossa História, procurando recriar o seu “espírito”, adaptado ao século XXI, conforme se pode ler no nosso
Manifesto.

Tal como n’ A Águia, temos tido o contributo das mais relevantes figuras da Cultura Lusófona...

Para o 27º número, os textos devem ser enviados até ao final de Dezembro.

Sede Editorial: Zéfiro - Edições e Actividades Culturais, Apartado 21 (2711-953 Sintra).
Sede Institucional: MIL - Movimento Internacional Lusófono, Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa).

Contactos: novaaguia@gmail.com ; 967044286.

Lançamento da NOVA ÁGUIA 25

Lançamento da NOVA ÁGUIA 25
10 de Março, no Palácio da Independência (na foto: Miguel Real, António Braz Teixeira, Renato Epifânio e Abel Lacerda Botelho). Para ver o vídeo, clicar sobre a imagem...

Para agendar um lançamento: novaaguia@gmail.com; 967044286.

MAPIÁGUIO (mapa de locais de lançamentos da NOVA ÁGUIA): Albufeira, Alcochete, Alcoutim, Alhos Vedros, Aljezur, Aljustrel, Allariz (Galiza), Almada, Almodôvar, Alverca, Amadora, Amarante, Angra do Heroísmo, Arraiolos, Assomada (Cabo Verde), Aveiro, Azeitão, Baía (Brasil), Bairro Português de Malaca (Malásia), Barcelos, Batalha, Beja, Belo Horizonte (Brasil), Bissau (Guiné), Bombarral, Braga, Bragança, Brasília (Brasil), Cacém, Caldas da Rainha, Caneças, Campinas (Brasil), Carnide, Cascais, Castro Marim, Castro Verde, Chaves, Cidade Velha (Cabo Verde), Coimbra, Coruche, Díli (Timor), Elvas, Ericeira, Espinho, Estremoz, Évora, Faial, Faro, Felgueiras, Figueira da Foz, Freixo de Espada à Cinta, Fortaleza (Brasil), Guimarães, João Pessoa (Brasil), Juiz de Fora (Brasil), Lagoa, Lagos, Leiria, Lisboa, Loulé, Loures, Luanda (Angola), Mafra, Mangualde, Marco de Canavezes, Mem Martins, Messines, Mindelo (Cabo Verde), Mira, Montargil, Montijo, Murtosa, Nazaré, Nova Iorque (EUA), Odivelas, Oeiras, Olhão, Ourense (Galiza), Ovar, Pangim (Goa), Pisa (Itália), Ponte de Sor, Pontevedra (Galiza), Portalegre, Portimão, Porto, Praia (Cabo Verde), Queluz, Recife (Brasil), Redondo, Régua, Rio de Janeiro (Brasil), Rio Maior, Sabugal, Sacavém, Sagres, Santarém, Santiago de Compostela (Galiza), São Brás de Alportel, São João da Madeira, São João d’El Rei (Brasil), São Paulo (Brasil), Seixal, Sesimbra, Setúbal, Silves, Sintra, Tavira, Tomar, Torres Novas, Torres Vedras, Trofa, Turim (Itália), Viana do Castelo, Vila do Bispo, Vila Meã, Vila Nova de Cerveira, Vila Nova de Foz Côa, Vila Nova de São Bento, Vila Real, Vila Real de Santo António e Vila Viçosa.

Nota: Muitos destes lançamentos, não só no país como por todo o espaço lusófono, só têm sido possíveis pelo apoio que a este projecto tem sido dado, desde a primeira hora, pelo MIL: Movimento Internacional Lusófono. O nosso público reconhecimento por isso. Desta forma, a NOVA ÁGUIA tem tido uma projecção não apenas estritamente nacional mas lusófona.

O "3º momento alto" da nossa tradição filosófico-cultural

O "3º momento alto" da nossa tradição filosófico-cultural
Ângelo Alves, "A Corrente Idealistico-gnóstica do pensamento português contemporâneo"

Manuel Ferreira Patrício, sobre o MIL e a NOVA ÁGUIA

Manuel Ferreira Patrício, sobre o MIL e a NOVA ÁGUIA
In AA.VV. "A Vida como Projecto. na senda de Ortega e Gasset", Universidade de Évora Edições, 2014, p. 13.

quarta-feira, 25 de junho de 2008

A ARANHA


A pequena aranha tardou a eclodir, não tinha pressa em ver o mundo, só quando o espaço lhe faltou se decidiu a romper barreiras e espreitar o ninho. Achou tudo muito enfadonho, feio e escuro.
– Isto é horrível, como é que vocês conseguem viver aqui?!
Nunca nada estava do seu agrado e ninguém se lhe igualava.
– Reparem como eu sou bonita, já viram estas manchas vermelhas, vocês são pretas, peludas…
À custa de tanto a ouvirem, as irmãs começaram a olhar de soslaio para as gotas de orvalho e, cabisbaixas, pensavam:
– Realmente ela tem razão, somos mesmo feias!
A pequena aranha lançava-lhes sorrisos de desprezo enquanto se bamboleava para cá e para lá no exíguo espaço do ninho.
O tempo passou e a vontade de conquistar mundo cresceu à medida do seu ego. Recusou qualquer trouxa e anunciou a todos a sua partida. Caminhou, segura, até ao pequeno buraco iluminado, espreitou lá para fora e exclamou:
– É tão grande o mundo!
Deu dois passos… e foi comida por um pássaro.


Moral da história: Os pássaros têm mau gosto para a comida.


Excerto de «Fábulas», o livro de auto-ajuda que vai destronar O Segredo dos tops de vendas mundiais.

16 comentários:

Jo disse...

Excelente fábula! :)

É escrever depressa o livro, que anda aí muito aranhiço a precisar de ajuda!

beijo*

Ana Beatriz Frusca disse...

Amei essa fábula, aliás, eu amo fábulas!
Beijos.

PS: Tá vendo Tia Andorinha?Os pássaros têm mau gosto para a comida.
JAJAJAJAJAJAJA!

PPS; Desculpa Anabela, eu não resisti...não consigo passar um dia sem implicar com a tia.

andorinha disse...

Adorei a fábula, apesar da moral:)))))

Beijinhos

Bia,
Estou vendo, estou...
Isto é um complot contra mim:(((((

Sem beijinhos.

Anabela.R disse...

Biazinha essa foi mazinha :)
Andorinha, eu explico há pássaros que comem qualquer porcaria e há outros, refinados, com bom gosto ;)
Beijinho Mariazinha

Ana Beatriz Frusca disse...

JAJAJAJAJAJAJA!
Desculpa Anabela, eu não resisti!

Tia:
Passarinho que anda com moercego, dorme de cabeça pra baixo.
Beijos pras duas.

Ana Beatriz Frusca disse...

errata: morcego*.

Anabela.R disse...

Eu acho que andorinha não dorme, descansa :)

... disse...

Também me soa a: quem arrisca também é isca. :)

Ruela disse...

Depende dos gostos pessoais ;)

Eu "gosto" de aranhas.


Também da tua fábula,


bjs.

Klatuu o embuçado disse...

Bela parábola, que até se aplica às Caixas de Comentários... e ao fora do blogue.

Há quem nos visite para espreitar e criticar o que se passa nas Caixas de Comentários, com pretensões de «cultura séria» e um indisfarçado voyeurismo de latrina - da qualidade do que se publica é que pouco dizem, não devem ter miolo para tal.

Moral da história: Não percam tempo a comentar comentários com comentários anónimos... venham cá para o fora do blogue... que vos corto a cabeça imprestável.

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Klatuu o embuçado disse...

Redimir a pátria? Onde é que foste buscar essa?

Quando à questão dos «insultos»... não os fiz. E após o almoço sou pouco dado a demandas semânticas.

Quanto a apagar o comentário - por mim a possibilidade de comentar anónimo nem existiria; não exijo o BI a ninguém mas, no mínimo, gosto de saber de que «país da blogosfera» provém quem me interpela.
Mas esta Caixa de Comentários não pertence a um post meu... porque a sê-lo, já estarias na reciclagem.

Deixo isso à autora, caso assim o entenda.

Anabela.R disse...

Como não aderi para ser insultada por gente sem rosto, apaguei os comentários anónimos e é o que farei sempre que apareçam no que publico aqui.

Klatuu o embuçado disse...

Fez muito bem, minha amiga, puta que os pariu!

E agora também tenho que repetir: Venham cá! Venham cá apagar-me o comentário! Que eu disse um palavrão! LOL!!!

Beijinho.
P. S. Não se aborreça com nada mais, e continue a ter a generosidade de, graciosamente e sem quaisquer intuitos torpes (não se pode dizer o mesmo de todos), nos ofertar a sua escrita, sempre bela e sagaz.

Ana Beatriz Frusca disse...

Anabela:
Estou a passar por aqui para deixar-te um beijo porque gostei muito de conhecê-la.
Continuarei a escrever em meu blogue, e não mais aqui. Assim como você não faço posts para ser insultada, e nem gosto de ver meus amigos serem também.
Minha vinda aqui será apenas pra comentar a todas as pessoas que gosto e que estão aqui, e você está entre elas.
Beijos.

Ana Beatriz Frusca disse...

Caso tenha vontade de ver o que escrevo passe em meu blogue. As portas lá estão abertas para todos que gosto, e lá não há anônimos.
Bjuxxx.
:)