A Águia, órgão da Renascença Portuguesa, foi uma das mais importantes revistas do início do século XX em Portugal. No século XXI, a Nova Águia, órgão do MIL: Movimento Internacional Lusófono, tem sido reconhecida como "a única revista portuguesa de qualidade que, sem se envergonhar nem pedir desculpa, continua a reflectir sobre o pensamento português". 
Sede Editorial: Zéfiro - Edições e Actividades Culturais, Apartado 21 (2711-953 Sintra). 
Sede Institucional: MIL - Movimento Internacional Lusófono, Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa). 
Contactos: novaaguia@gmail.com ; 967044286. 

Donde vimos, para onde vamos...

Donde vimos, para onde vamos...
Ângelo Alves, in "A Corrente Idealistico-gnóstica do pensamento português contemporâneo".

Manuel Ferreira Patrício, in "A Vida como Projecto. Na senda de Ortega e Gasset".

Onde temos ido: Mapiáguio (locais de lançamentos da NOVA ÁGUIA)

Albufeira, Alcochete, Alcoutim, Alhos Vedros, Aljezur, Aljustrel, Allariz (Galiza), Almada, Almodôvar, Alverca, Amadora, Amarante, Angra do Heroísmo, Arraiolos, Assomada (Cabo Verde), Aveiro, Azeitão, Baía (Brasil), Bairro Português de Malaca (Malásia), Barcelos, Batalha, Beja, Belo Horizonte (Brasil), Bissau (Guiné), Bombarral, Braga, Bragança, Brasília (Brasil), Cacém, Caldas da Rainha, Caneças, Campinas (Brasil), Carnide, Cascais, Castro Marim, Castro Verde, Chaves, Cidade Velha (Cabo Verde), Coimbra, Coruche, Díli (Timor), Elvas, Ericeira, Espinho, Estremoz, Évora, Faial, Faro, Felgueiras, Figueira da Foz, Freixo de Espada à Cinta, Fortaleza (Brasil), Guarda, Guimarães, João Pessoa (Brasil), Juiz de Fora (Brasil), Lagoa, Lagos, Leiria, Lisboa, Loulé, Loures, Luanda (Angola), Mafra, Mangualde, Marco de Canavezes, Mem Martins, Messines, Mindelo (Cabo Verde), Mira, Mirandela, Montargil, Montijo, Murtosa, Nazaré, Nova Iorque (EUA), Odivelas, Oeiras, Olhão, Ourense (Galiza), Ovar, Pangim (Goa), Pisa (Itália), Ponte de Sor, Pontevedra (Galiza), Portalegre, Portimão, Porto, Praia (Cabo Verde), Queluz, Recife (Brasil), Redondo, Régua, Rio de Janeiro (Brasil), Rio Maior, Sabugal, Sacavém, Sagres, Santarém, Santiago de Compostela (Galiza), São Brás de Alportel, São João da Madeira, São João d’El Rei (Brasil), São Paulo (Brasil), Seixal, Sesimbra, Setúbal, Silves, Sintra, Tavira, Tomar, Torres Novas, Torres Vedras, Trofa, Turim (Itália), Viana do Castelo, Vigo (Galiza), Vila do Bispo, Vila Meã, Vila Nova de Cerveira, Vila Nova de Foz Côa, Vila Nova de São Bento, Vila Real, Vila Real de Santo António e Vila Viçosa.

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Luís António Verney e a cultura luso-brasileira do seu tempo



AA.VV., "Luís António Verney e a cultura luso-brasileira do seu tempo", coord. de António Braz Teixeira, Octávio dos  Santos e Renato Epifânio, Lisboa, MIL/ DG Edições, 2016, 447 pp.
I - Verney e o seu tempo; II - Contemporâneos de Verney; III - Posteridade de Verney
ISBN: 978-989-8661-59-3
O presente volume recolhe os textos das comunicações apresentadas no Congresso Internacional “Luís António Verney e a Cultura Luso-Brasileira do seu tempo”, realizado, em Lisboa, na Biblioteca Nacional de Portugal, de 16 a 18 de Setembro de 2013, e no Colóquio “No tricentenário de Luís António Verney”, organizado pelo Centro de Estudos de História e Filosofia da Ciência e pelo Centro de Estudos em Letras, da Universidade de Évora, onde decorreu, de 21 a 23 de Março do ano seguinte.

ÍNDICE I - VERNEY E O SEU TEMPO Manuel Curado | NÓTULA SOBRE A LÓGICA DE LUÍS ANTÓNIO VERNEY Manuel Cândido Pimentel | A METAFÍSICA DE LUÍS ANTÓNIO VERNEY António Braz Teixeira | O PENSAMENTO ÉTICO DE LUÍS ANTÓNIO VERNEY Jorge Teixeira da Cunha | A ÉTICA E A MORAL EM LUÍS ANTÓNIO VERNEY António Cândido Franco | O LUGAR DA POESIA EM LUÍS ANTÓNIO VERNEY Duarte Ivo Cruz | LUIS ANTÓNIO VERNEY E A ARCÁDIA LUSITANA - DOUTRINA E PRÁTICA DO TEATRO Maria de Fátima Nunes | CULTURA FÍSICA, CULTURA TÉCNICA E MODERNIDADE EM LUÍS ANTÓNIO VERNEY Augusto José dos Santos Fitas | A FÍSICA E A MATEMÁTICA NO SÉCULO XVIII – CONTRIBUIÇÕES PARA O ESTUDO DO NEWTONIANISMO NA PRIMEIRA OBRA DE VERNEY Francisco António Lourenço Vaz | AS IDEIAS ECONÓMICAS DE LUÍS ANTÓNIO VERNEY Rui de Figueiredo Marcos | VERNEY NO DIREITO DO SEU TEMPO E O DIREITO NO TEMPO DE VERNEY José Eduardo Franco | VERNEY E OS JESUÍTAS NO QUADRO DA CRÍTICA ILUMINISTA ÀS ORDENS RELIGIOSAS Mário Vieira de Carvalho | O ILUMINISMO E O DEBATE TEOLÓGICO EM TORNO DA ÓPERA EM PORTUGAL Helena Murteira | LISBOA NO TEMPO DE VERNEY: DA TRADIÇÃO À MODERNIDADE Maria Alexandra Trindade Gago da Câmara | ENTRE LISBOA E ROMA: ESPAÇOS E QUOTIDIANOS DE LUÍS ANTÓNIO VERNEY (1713-1792) Maria do Céu Fonseca | O CULTIVO DOS IDIOMAS NACIONAIS AO TEMPO DE VERNEY Armando Martins | A PRODUÇÃO DA UNIVERSIDADE DE ÉVORA ANTES E AO TEMPO DE VERNEY: ALGUMAS OBSERVAÇÕES Helena Nadal Sánchez | A “POLÉMICA VERNEIANA” E A REFORMA DA UNIVERSIDADE: DUAS IMPRESSÕES DE LUÍS ANTÓNIO DE VERNEY EM ESPANHA II - CONTEMPORÂNEOS DE VERNEY Anna Maria Moog | NUNO MARQUES PEREIRA: COMPÊNDIO NARRATIVO DO PEREGRINO DA AMÉRICA Rodrigo Sobral Cunha | NOTÍCIA SOBRE JACOB DE CASTRO SARMENTO Luís Lóia | ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE «A EDUCAÇÃO DE UM MENINO NOBRE», DE MARTINHO DE MENDONÇA Manuel Ferreira Patrício | O INTERESSE FILOSÓFICO E PEDAGÓGICO DE MARTINHO DE MENDONÇA SOBRE A REFLEXÃO FILOSÓFICA DE LEIBNIZ SOBRE O ESPAÇO E O TEMPO Luís Manuel A.V. Bernardo | MANUEL DE AZEVEDO FORTES, UM CARTESIANO CONVICTO Maria Manuela Brito Martins | O CONTRIBUTO DO PE. JOÃO BAPTISTA DE CASTRO PARA A HISTÓRIA NACIONAL NA SUA OBRA «MAPPA DE PORTUGAL» Maria Manuela Brito Martins | O PENSAMENTO FILOSÓFICO DO PE. JOÃO BAPTISTA (1705?-1761) Miguel Real | A ÉTICA DA FELICIDADE EM “CARTA SOBRE A FORTUNA” DE MATIAS AIRES António Braz Teixeira | A REFLEXÃO MORAL DE FELICIANO DE SOUSA NUNES Samuel Dimas | O RACIONALISMO ILUMINISTA DE ANTÓNIO RIBEIRO SANCHES: PARA A DEFESA DE UM HUMANISMO SECULARISTA Marta Mendonça | A DIVULGAÇÃO DA FILOSOFIA E DA CIÊNCIA MODERNAS NA SEGUNDA METADE DO SÉCULO XVIII – VERNEY E TEODORO DE ALMEIDA José Gama | INÁCIO MONTEIRO, FILÓSOFO PORTUGUÊS E EUROPEU - UMA "FILOSOFIA LIVRE" Miguel Corrêa Monteiro | O JESUÍTA INÁCIO MONTEIRO E LUÍS ANTÓNIO VERNEY FACE ÀS NOVAS CORRENTES DE PENSAMENTO Paulo Ferreira da Cunha | REVISITAR TOMÁS ANTÓNIO GONZAGA NO CONTEXTO DO JUSRACIONALISMO LUSO-BRASILEIRO Joaquim Domingues | ANTÓNIO PEREIRA DE FIGUEIREDO E O PROJECTO JOANINO III - POSTERIDADE DE VERNEY Margarida Amoedo | A UNIVERSIDADE COMO “A MAIS ALTA REPRESENTAÇÃO DA CULTURA” João Príncipe | SÉRGIO E VERNEY: O HUMANISMO CIENTÍFICO E A REFORMA DE MENTALIDADES Renato Epifânio | VERNEY ENQUANTO “MITO CULTURAL” – A CRÍTICA DE JOSÉ MARINHO Pedro Martins | VERNEY E ANTÓNIO TELMO: UM DIÁLOGO SOBRE CAMÕES J. Pinharanda Gomes | ANTÓNIO ALBERTO BANHA DE ANDRADE (1915-1982), CRÍTICO DE VERNEY Octávio dos Santos | «VER» VERNEY, UM DEVER, SEMPRE Outras obras promovidas pelo MIL: