EM TODO O PAÍS & MUNDO LUSÓFONO: LANÇAMENTOS NOVA ÁGUIA: REVISTA DE CULTURA PARA O SÉCULO XXI

Desde 2008, "a única revista portuguesa de qualidade que, sem se envergonhar nem pedir desculpa, continua a reflectir sobre o pensamento português".

A Águia foi uma das mais importantes revistas do início do século XX em Portugal, em que colaboraram algumas das mais relevantes figuras da nossa Cultura, como Teixeira de Pascoaes, Jaime Cortesão, Raul Proença, Leonardo Coimbra, António Sérgio, Fernando Pessoa e Agostinho da Silva.

A NOVA ÁGUIA pretende ser uma homenagem a essa tão importante revista da nossa História, procurando recriar o seu “espírito”, adaptado ao século XXI, conforme se pode ler no nosso
Manifesto.

Tal como n’ A Águia, procuraremos o contributo das mais relevantes figuras da nossa Cultura, que serão chamadas a reflectir sobre determinados temas:

- 1º número (1º semestre de 2008): A ideia de Pátria: sua actualidade.

- 2º número (2º semestre de 2008): António Vieira e o futuro da Lusofonia.

- 3º número (1º semestre de 2009): O legado de Agostinho da Silva, 15 anos após a sua morte.

- 4º número (2º semestre de 2009): Pascoaes, Portugal e a Europa: 20 anos após a queda do Muro de Berlim.

- 5º número (1º semestre de 2010): Os 100 anos d' A Águia e a situação cultural de hoje.

- 6º número (2º semestre de 2010): A República, 100 anos depois.

- 7º número (1º semestre de 2011): Fernando Pessoa: "Minha pátria é a língua portuguesa" (nos 15 anos da CPLP).

- 8º número (2º semestre de 2011): O Pensamento da Cultura de Língua Portuguesa: nos 30 anos da morte de Álvaro Ribeiro.

- 9º número (1º semestre de 2012): Nos 100 anos da Renascença Portuguesa: como será Portugal daqui a 100 anos?

- 10º número (2º semestre de 2012): Leonardo Coimbra, Dalila Pereira da Costa, Manuel Laranjeira e João de Deus: Razão e Espiritualidade.

- 11º número (1º semestre de 2013): "Da minha língua vê-se o mar": o Mar e a Lusofonia.

- 12º número (2º semestre de 2013): O pensamento de António Quadros - nos 20 anos do seu falecimento.

- 13º número (1º semestre de 2014): O balanço de Abril, 40 anos depois - nos 20 anos do falecimento de Agostinho da Silva.

- 14º número (2º semestre de 2014): 80 Anos da "Mensagem" – 8 Séculos da Língua Portuguesa.

- 15º número (1º semestre de 2015): Nos 100 Anos do “Orpheu” e da "Arte de Ser Português"

- 16º número (2º semestre de 2015): Quem tem medo da Filosofia Lusófona? Nos 100 anos do falecimento de Sampaio Bruno.

- 17º número (1º semestre de 2016): A importância das Diásporas para a Lusofonia.

- 18º número (2º semestre de 2016): Autores em destaque - Ariano Suassuna, Delfim Santos e Vergílio Ferreira.

- 19º número (1º semestre de 2017): O Balanço da CPLP: Comunidade dos Países de Língua Portuguesa ; Afonso de Albuquerque: 500 anos depois.

- 20º número (2º semestre de 2017): autores em destaque – José Rodrigues (no ano da sua morte); Raul Brandão (nos 150 anos do seu nascimento); Francisco Manuel de Melo (nos 350 anos da sua morte).

- 21º número (1º semestre de 2018): autores em destaque – Dalila Pereira da Costa (nos 100 anos do seu nascimento); Fidelino de Figueiredo (nos 50 anos da sua morte); António Nobre (nos 150 anos do seu nascimento).

Para o 21º número, os textos devem ser enviados até ao final de Dezembro.

Sede Editorial: Zéfiro - Edições e Actividades Culturais, Apartado 21 (2711-953 Sintra).
Sede Institucional: MIL - Movimento Internacional Lusófono, Palácio da Independência, Largo de São Domingos, nº 11 (1150-320 Lisboa).

Contactos: novaaguia@gmail.com ; 967044286.

Capa da NOVA ÁGUIA 19

Capa da NOVA ÁGUIA 19

EDITORIAL NOVA ÁGUIA 19

No décimo nono número da NOVA ÁGUIA, começamos por dar destaque a dois eventos promovidos pelo MIL: Movimento Internacional Lusófono – falamos do Colóquio “Afonso de Albuquerque: Memória e Materialidade”, que assinalou, da forma descomplexada que nos é (re)conhecida, os quinhentos anos do seu falecimento, e do IV Congresso da Cidadania Lusófona, que teve como tema “O Balanço da CPLP: Comunidade dos Países de Língua Portuguesa – 20 anos após a sua criação”.
Assim, na secção de abertura, sobre “O Balanço da CPLP”, começamos com uma reflexão de Miguel Real sobre o futuro da Lusofonia, dando depois voz aos representantes dos vários países e regiões do espaço de língua portuguesa que participaram no IV Congresso da Cidadania Lusófona – finalmente, fechamos com um Balanço do próprio Congresso e com o Discurso de justificação da entrega do Prémio MIL Personalidade Lusófona a D. Duarte de Bragança, proferido, na ocasião, por Mendo Castro Henriques. Na secção seguinte, sobre Afonso de Albuquerque, seleccionámos alguns dos textos apresentados no referido Colóquio, que decorreu em Dezembro de 2015, na Biblioteca Nacional de Portugal.
Depois, evocamos mais de uma dezena e meia de autores, começando por Afonso Botelho – falecido há já vinte anos e a quem foi dedicado o mais recente Colóquio Luso-Galaico sobre a Saudade, que decorreu no passado ano – e terminando em Vergílio Ferreira, na NOVA ÁGUIA já celebrado no número anterior, por ocasião dos cem anos do seu nascimento. Na secção seguinte, outras temáticas são abordadas – desde logo: “A Universalidade da Igreja e a vivência do multiculturalismo”, por Adriano Moreira, e a “Confederação luso-brasileira: uma utopia nos inícios do século XX (1902-1923)”, por Ernesto Castro Leal.
A seguir, em “Extravoo”, publicamos inéditos de Agostinho da Silva e de António Telmo e republicamos um conto de Fidelino de Figueiredo, “No Harém”, precedido de um ensaio de Fabrizio Boscaglia. Por fim, em “Bibliáguio”, damos destaque a algumas obras promovidas recentemente pelo MIL – nomeadamente: A “Escola de São Paulo”, de António Braz Teixeira, Olhares luso-brasileiros, de Constança Marcondes César, Política Brasílica, de Joaquim Feliciano de Sousa Nunes, e José Enes: Pensamento e Obra, resultante de um Colóquio promovido pelo Instituto de Filosofia Luso-Brasileira, a Universidade dos Açores, a Universidade Católica Portuguesa e a Casa dos Açores em Lisboa, decorrido em Outubro de 2015.
Ainda sobre Ariano Suassuna, autor em destaque no número anterior, publicamos, a abrir este número, uma ilustração do próprio Ariano oferecida a António Quadros, com uma nota explicativa que nos foi enviada por Mafalda Ferro, Presidente da Fundação António Quadros, a quem agradecemos mais este gesto de apoio à NOVA ÁGUIA. De igual modo, agradecemos também aqui – na pessoa do seu Presidente, Abel de Lacerda Botelho – todo o apoio que tem sido dado à NOVA ÁGUIA e ao MIL pela Fundação Lusíada, uma das instituições culturais mais prestigiadas em Portugal, que comemorou, no dia 12 de Março do passado ano, no Círculo Eça de Queiroz, em Lisboa, os seus trinta anos de existência. Os nossos parabéns à Fundação Lusíada.

A Direcção da NOVA ÁGUIA

Post Scriptum: Falecido no dia 4 de Março do corrente ano, dedicamos este número a Ângelo Alves, Doutorado em Filosofia em 1962, com a tese “O Sistema Filosófico de Leonardo Coimbra. Idealismo Criacionista", que, na sua última obra, “A Corrente Idealistico-gnóstica do pensamento português contemporâneo” (2010), escreveu que a NOVA ÁGUIA e o MIL: Movimento Internacional Lusófono representam o "3º momento alto" da nossa tradição filosófico-cultural, após o Movimento da Renascença Portuguesa e o Movimento da Filosofia Portuguesa.

NOVA ÁGUIA Nº 19: ÍNDICE

Editorial…5

O BALANÇO DA CPLP: COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

O FUTURO DA LUSOFONIA Miguel Real…8

PORTUGAL Maria Luísa de Castro Soares…10

ANGOLA Carlos Mariano Manuel…18

MOÇAMBIQUE Delmar Maia Gonçalves…21

CABO VERDE Elter Manuel Carlos…23

TIMOR Ivónia Nahak Borges…24

MACAU Jorge A.H. Rangel…26

MALACA Luísa Timóteo…31

GUINÉ Manuel Pechirra…32

GALIZA Maria Dovigo…34

BRASIL Paulo Pereira…37

GOA Virgínia Brás Gomes…41

BALANÇO DO IV CONGRESSO DA CIDADANIA LUSÓFONA Renato Epifânio…44

D. DUARTE DE BRAGANÇA, PRÉMIO MIL PERSONALIDADE LUSÓFONA Mendo Castro Henriques…45

SOBRE AFONSO DE ALBUQUERQUE

PORQUÊ RECORDAR AFONSO DE ALBUQUERQUE? Renato Epifânio…48

AFONSO DE ALBUQUERQUE, PROFETA ARMADO, E A SOMBRA DE MAQUIAVEL Mendo Castro Henriques…49

AFONSO DE ALBUQUERQUE, DA REALIDADE À FICÇÃO: A MATÉRIA DE QUE SÃO FEITOS OS MITOS Deana Barroqueiro…58

A ARQUITECTURA MILITAR PORTUGUESA DE VANGUARDA NO GOLFO PÉRSICO João Campos…60

ASPECTOS MILITARES DA PRESENÇA PORTUGUESA NO ÍNDICO NO SÉCULO XVI Luís Paulo Correia Sodré de Albuquerque...74

BRÁS DE ALBUQUERQUE E OS COMMENTARIOS DE AFONSO DALBOQUERQUE (LISBOA, 1557) Rui Manuel Loureiro…79

AFONSO DE ALBUQUERQUE: CORTE, CRUZADA E IMPÉRIO José Almeida…89

OUTRAS EVO(O)CAÇÕES

AFONSO BOTELHO Pinharanda Gomes…92

AGOSTINHO DA SILVA Pedro Martins…97

ANTÓNIO VIEIRA Nuno Sotto Mayor Ferrão…103

AURÉLIA DE SOUSA Joaquim Domingues…111

CAMÕES Abel de Lacerda Botelho…113

FARIA DE VASCONCELOS Manuel Ferreira Patrício…119

FIALHO DE ALMEIDA José Lança-Coelho…125

FIDELINO DE FIGUEIREDO Mário Carneiro…127

LEONARDO COIMBRA João Ferreira…133

MÁRIO SOARES Renato Epifânio…139

PESSOA E RODRIGO EMÍLIO José Almeida…140

PIER PAOLO PASOLINI Brunello Natale De Cusatis…146

PINHARANDA GOMES Carlos Aurélio….151

SAMUEL SCHWARZ Sandra Fontinha…157

SANTA-RITA PINTOR José-Augusto França…168

VERGÍLIO FERREIRA António Braz Teixeira…177

OUTROS VOOS

A UNIVERSALIDADE DA IGREJA E A VIVÊNCIA DO MULTICULTURALISMO Adriano Moreira…184

CONFEDERAÇÃO LUSO-BRASILEIRA: UMA UTOPIA NOS INÍCIOS DO SÉCULO XX (1902-1923) Ernesto Castro Leal…187

CAMINHOS PARA UMA PEDAGOGIA SOCIAL OU PARA UMA TRANSDISCIPLINARIDADE DIALÓGICA Joaquim Pinto…196

O QUE SÃO AS FILOSOFIAS NACIONAIS? Luís de Barreiros Tavares…206

A HETERONÍMIA COMO ETOPEIA Mariella Augusta Pereira…214

ESCOTÓPICA VISÃO – DA ESSÊNCIA DA POESIA Pedro Vistas…223

AUTOBIOGRAFIA 2 Samuel Dimas…232

O PENSAMENTO E A MÚSICA DE MARIANO DEIDDA António José Borges…241

EXTRAVOO

VIDA CONVERSÁVEL - SEGUNDA PARTE (CONTINUAÇÃO) Agostinho da Silva…246

NOVE APONTAMENTOS INÉDITOS António Telmo…251

NO HARÉM Fidelino de Figueiredo (com um ensaio de Fabrizio Boscaglia)…254

BIBLIÁGUIO

A « ESCOLA DE SÃO PAULO» Constança Marcondes César…266

JOSÉ ENES: PENSAMENTO E OBRA Manuel Ferreira Patrício…268

OLHARES LUSO-BRASILEIROS & POLÍTICA BRASÍLICA José Almeida…270

O COLAR DE SINTRA Luísa Barahona Possollo…272

OBRAS PUBLICADAS EM 2016 Renato Epifânio…277

POEMÁGUIO

FAL A DE AFONSO DE ALBUQUERQUE AO SAIR DE MALACA José Valle de Figueiredo…90

O QUE NÃO FIZ NA VIDA André Sophia…90

MANIFESTO LUSÓFONO 1 Cristina Ohana…91

LER O AR António José Borges…205

O FRESCOR DA MANHÃ Manoel Tavares Rodrigues-Leal…240

VER, DE VERGÍLIO FERREIRA Renato Epifânio…240

INSCRIÇÃO Jesus Carlos…245

LUSO–ASCENDENTE Maurícia Teles da Silva…264

O FUMADOR Jaime Otelo…265

TINTA PERMANENTE Maria Luísa Francisco…265

ABANDONO Maria Leonor Xavier...279

DE MECA A JERUSALÉM Daniel Miranda…279

MEMORIÁGUIO…280

MAPIÁGUIO…281

ASSINATURAS…281

COLECÇÃO NOVA ÁGUIA…284


Apresentação da NOVA ÁGUIA 19

Apresentação da NOVA ÁGUIA 19
18 de Abril: Sociedade de Geografia de Lisboa (para ver, clicar sobre a imagem)

Para agendar um lançamento: novaaguia@gmail.com; 967044286.

MAPIÁGUIO (mapa de locais de lançamentos da NOVA ÁGUIA): Albufeira, Alcochete, Alcoutim, Alhos Vedros, Aljezur, Aljustrel, Allariz (Galiza), Almada, Almodôvar, Amadora, Amarante, Arraiolos, Assomada (Cabo Verde), Aveiro, Azeitão, Baía (Brasil), Bairro Português de Malaca (Malásia), Barcelos, Batalha, Beja, Belo Horizonte (Brasil), Bissau (Guiné), Bombarral, Braga, Bragança, Brasília (Brasil), Cacém, Caldas da Rainha, Caneças, Campinas (Brasil), Carnide, Cascais, Castro Marim, Castro Verde, Chaves, Cidade Velha (Cabo Verde), Coimbra, Coruche, Díli (Timor), Elvas, Ericeira, Espinho, Estremoz, Évora, Faial, Faro, Felgueiras, Figueira da Foz, Freixo de Espada à Cinta, Fortaleza (Brasil), Guimarães, João Pessoa (Brasil), Lagoa, Lagos, Leiria, Lisboa, Loulé, Loures, Luanda (Angola), Mafra, Mangualde, Marco de Canavezes, Mem Martins, Messines, Mindelo (Cabo Verde), Mira, Montargil, Montijo, Nazaré, Nova Iorque (EUA), Odivelas, Oeiras, Olhão, Ourense (Galiza), Ovar, Pangim (Goa), Pisa (Itália), Ponte de Sor, Pontevedra (Galiza), Portalegre, Portimão, Porto, Praia (Cabo Verde), Queluz, Recife (Brasil), Redondo, Régua, Rio de Janeiro (Brasil), Rio Maior, Sabugal, Sacavém, Santiago de Compostela (Galiza), São Brás de Alportel, São João da Madeira, São João d’El Rei (Brasil), São Paulo (Brasil), Seixal, Sesimbra, Setúbal, Silves, Sintra, Tavira, Tomar, Torres Novas, Torres Vedras, Trofa, Turim (Itália), Viana do Castelo, Vila do Bispo, Vila Meã, Vila Nova de Cerveira, Vila Nova de Foz Côa, Vila Nova de São Bento, Vila Real, Vila Real de Santo António e Vila Viçosa.

Nota: Muitos destes lançamentos, não só no país como por todo o espaço lusófono, só têm sido possíveis pelo apoio que a este projecto tem sido dado, desde a primeira hora, pelo MIL: Movimento Internacional Lusófono. O nosso público reconhecimento por isso. Desta forma, a NOVA ÁGUIA tem tido uma projecção não apenas estritamente nacional mas lusófona.

PARA ASSINAR A NOVA ÁGUIA: www.zefiro.pt/assinaturas




O "3º momento alto" da nossa tradição filosófico-cultural

O "3º momento alto" da nossa tradição filosófico-cultural
Ângelo Alves, "A Corrente Idealistico-gnóstica do pensamento português contemporâneo"

Manuel Ferreira Patrício, sobre o MIL e a NOVA ÁGUIA

Manuel Ferreira Patrício, sobre o MIL e a NOVA ÁGUIA
In AA.VV. "A Vida como Projecto. na senda de Ortega e Gasset", Universidade de Évora Edições, 2014, p. 13.

sábado, 14 de novembro de 2009

Texto que nos chegou...

.
Cogitações de um universitário (da última década do século XX) para quem a(s) Universidade(s) nada contribuíram para o encontro com o pensamento português

Em tempo de evocação ao movimento da Renascença Portuguesa, apraz-me tecer breves considerações acerca do pensamento especulativo a que deu origem e ao desprezo a que durante décadas o mesmo foi votado pelos portugueses. Desdém este que se deve à indiferença a que os nossos intelectuais e a nossa Universidade o condenaram. E se a Universidade desprezava por completo estes movimentos e o pensamento daqueles que os encabeçavam, como poderiam ser difundidos os seus ideais pelo resto da população pouco culta e totalmente iletrada?
É claro que os renascentes também não fizeram tudo para evitar polémicas e cisões desnecessárias, tendo, entre todos, responsabilidades efectivas para o facto de o Movimento não ter tido a longevidade que prometia. Convém não esquecer as dissenções na sua origem que levaram a curto prazo ao aparecimento de outras associações similares.
É inquestionável a qualidade daqueles que deram forma ao movimento da Renascença Portuguesa entre os anos de 1910 e 1932. A revista A Águia (1910-1932), durante vinte e dois anos, foi o seu principal órgão oficial, a que se juntou o boletim A Vida Portuguesa (1912-1915) e a efémera publicação Princípio (1930). Teixeira de Pascoaes, Mário Beirão, Leonardo Coimbra, Jaime Cortesão, Raul Proença, António Sérgio, Manuel Laranjeira, Agostinho da Silva, entre tantos outros, de uma maneira ou de outra, foram dando alma ao projecto.
Não sei o que seria a vida literária nos primeiros anos do século XX, mas sei que a multidão de analfabetos que invadia o país, dava a estes movimentos uma fraca visibilidade, mesmo nas duas ou três maiores cidades em que tinham sede.
Estes eram grupos híbridos de intelectuais e artistas em que, uns tinham vida universitária e outros não; uns ocupavam lugares públicos de destaque, outros não. Uns, como na altura era possível, viviam materialmente desafogados, dedicando todo o tempo à criação, outros viviam com muitas dificuldades materiais.
As publicações que eram os órgãos de difusão dos seus propósitos serviam para, num tempo de edição muito difícil, dar a conhecer ao público culto a obra produzida por aqueles que neles militavam.
Nesta ambiência a Renascença Portuguesa cumpriu os seus objectivos. A sua importância para a publicação da obra original pode ser conferida no escrito de António Sérgio intitulado “Sobre a minha colaboração na obra da Renascença Portuguesa”, Portucale, 3ª série, vol. I, nº 3 (1955), onde reconhece ter usado a Renascença e a sua revista A Águia para se dar a conhecer e ver facilitado o seu desejo de fundar o Movimento “concorrente” da Seara Nova, facto que veio a ocorrer no ano de 1921.
Quando consultamos os órgãos de difusão do ideário renascente vemos o seu conteúdo preenchido essencialmente por pensamento original. Mesmo quando se trata de pensamento especulativo de análise ao pensamento de um dado autor, nunca se fica pela mera hermenêutica do mesmo, apontando, aquele que escreve para o divulgar, uma posição crítica original reveladora do seu próprio pensamento, não se preocupando com a mera análise interpretativa que subjaz ao trabalho científico.
Alfredo Ribeiro dos Santos em A Renascença Portuguesa, um movimento cultural portuense (1990) e Paulo Samuel em A Renascença Portuguesa - um perfil documental (1991), elencam a participação plural, as reacções e contra reacções, à linha de pensamento que o Movimento foi produzindo. Também Manuel Ferreira Patrício em “O problema da educação na Renascença Portuguesa” (2002) e Pinharanda Gomes em A ‘Escola Portuense’. Uma introdução histórico-filosófica (2006) estabelecem marcos fundamentais da génese e evolução da plêiade de pensadores que das maneiras mais dispares foram formados nos ideias da Renascença Portuguesa e alimentaram com o seu pensamento e acção algumas figuras gradas que vieram a dar corpo ao ensino ministrado nessa fascinante (ao que os testemunhos indicam) primeira Faculdade de Letras da Universidade do Porto.

Os representantes destas associações vagueavam de tertúlia em tertúlia e como algumas delas decorriam em locais públicos de certeza que seriam tidos entre as pessoas comuns como extravagantes que pouco contribuíam para o progresso de Portugal. E como muitos deles se envolviam nas disputas políticas em épocas de grande agitação social, com maior desconfiança seriam olhados.
O clima de inveja e maledicência permanente que reinava entre pares também não abonaria a uma boa imagem junto das classes populares mais esclarecidas.
Certo é que o legado que nos deixaram é de valor inquestionável, como certo é, que diversas gerações de portugueses, foram educadas no desconhecimento absoluto destes movimentos e da sua importância no lançamento de autores/criadores importantes do panorama português. As universidades, onde era e continua a ser suposto formar as elites portuguesas, ministravam (e ainda ministram) um ensino estrangeirado, ensinando cultura portuguesa e pensamento português com o recurso a autores e correntes estrangeiras. Os seus alunos saíam de lá como entravam: no desconhecimento absoluto da existência e do valor do pensamento português, pois ninguém lho dava a conhecer, nem sequer em pequenas menções. Daqueles que encarnaram o espírito da Renascença sob o influxo de Leonardo Coimbra na primeira Faculdade de Letras do Porto e que foram muitos, só uma pequeníssima minoria veio a leccionar no ensino superior, como é o caso de Delfim Santos. Note-se, por exemplo, que a longa e acesa polémica alimentada entre António Sérgio e Santana Dionísio sobre o valor especulativo da obra de Leonardo Coimbra decorreu totalmente fora do circuito universitário. E outros casos poderiam ser invocados.
Neste clima quem alimentava viva a chama do pensamento português eram as tertúlias e outros pequenos meios de reunião, discussão e publicação de um ideário completamente posto de parte pelas elites que nos governavam e por aqueles que tinham a missão política de elencar o que era ou não era digno de ser ensinado ao povo português nas instituições de ensino tuteladas pelo Estado.
Desta forma, aproveitando a crise da Universidade depressa se gerou em Portugal, por parte daqueles que alimentavam estes movimentos, um ódio cerrado a esta vetusta instituição, apelando ao seu fecho definitivo, tirando, dessa forma, o ónus do seu funcionamento da despesa pública que consumia. Maneira de pensar comum a movimentos contestatários de outros países. Esta radicalidade advinha do seu convencimento de que elas para nada serviam à difusão e conhecimento de um pensamento originariamente português.
Da maior importância, contudo, é o facto de a Renascença Portuguesa se ter centrado na realidade nacional, tentando os seus elementos propor e reflectir um ideário pátrio que pretendiam que fosse de complementaridade entre a razão e o sentir, o pensar e o intuir, fugindo ao crescente cientismo e positivismo para que o mundo civilizado e Portugal com ele, iam caminhando. Com esta maneira de proceder tentavam combater o pensamento hegemónico e dominante que pretendia anular as particularidades e as maneiras próprias de sentir e pensar de cada Nação.
A Renascença Portuguesa tem o condão de ser um Movimento que se opôs, apesar de todos os constrangimentos, a um pensamento massificante e alienante da condição humana. O sentir nacional, mesmo após as dissidências, ficaria marcado, de uma maneira ou de outra, naqueles que aí militaram como é patente na obra de Fernando Pessoa, António Sérgio, Jaime Cortesão…

Mais recentemente temos que realçar de forma positiva o esforço de uma nova geração de universitários que introduziram nas academias onde prestam os seus serviços o pensamento português, elevando o seu estudo a níveis nunca antes vistos, derrubando tabus e dando a conhecer todas as suas potencialidades.
Nesta demanda marca lugar de destaque o Centro Regional do Porto da Universidade Católica que através do seu Centro de Estudos do Pensamento Português tem promovido, sobretudo sobre as correntes e os autores que fizeram do Porto a base da sua aprendizagem e do seu trabalho, encontros científicos de alto nível muito participados e abrangentes, reflectindo a origem e a continuidade do pensamento que estes movimentos geraram. Tem também procedido à edição crítica da obra de dois dos vultos da ‘Escola Portuense’: Sampaio Bruno e Leonardo Coimbra. Outras universidades estatais têm vindo a pôr um enfoque especial no pensamento português, felizmente. Esperemos que este investimento não se deva a nenhuma circunstância particular, mas sim a uma verdadeira intenção de, definitivamente, elevar o pensamento português ao lugar que de pleno direito deve ocupar dentro das respectivas academias.
O preconceito que ainda existe em relação a alguns investigadores do pensamento português de quem a obra deliberadamente se diz desconhecer, colocando-os num esquecimento empobrecedor, denota que apesar de mudarem os tempos, os vícios tendem a manter-se. Por outro lado, há uma tendência a aparecerem, nos mais diversos fóruns, sempre os mesmos intérpretes a falar sobre o que quer que seja, o que leva a um enfraquecimento da reflexão pelo estilo repetitivo e pouco criativo de interpretação proporcionada.

A Nova Águia surgida em 2008 assume-se devedora da gesta renascente ao lado de outros movimentos como a Nova Renascença sedeado no Porto e capitaneado durante anos pelo já falecido professor José Augusto Seabra. É claro que houve outros exemplos de iniciativa individual que insistiram em dar a conhecer a excelência desse ideário que se propagou na obra daqueles que estiveram na sua fundação. É o caso de Santana Dionísio em cujo labor esse tributo aparece frequentemente associado à exposição e defesa do pensamento de Leonardo Coimbra, que durante anos tão mal compreendido e apreciado foi entre os intelectuais do seu povo. Precisamente ele que nunca se inibiu de propor uma matriz portuguesa para o pensamento e a especulação que se ia fazendo entre nós.
A Nova Águia criou algumas expectativas e tem mostrado grande capacidade para atender à participação de todos aqueles que estão interessados em pensar Portugal, ou melhor, a grande comunidade lusófona. Esperemos que assim continue pois o progresso do pensamento e a afirmação das ideias só se pode fazer com o recurso ao contraditório. A Águia, órgão oficial da Renascença Portuguesa também privilegiou a crítica e divulgou os opositores do seu ideário. Entre as controvérsias que acolheu está a que opôs Pascoaes e António Sérgio sobre o saudosismo, compilada por P. Gomes em Teixeira de Pascoaes, A saudade e o saudosismo (1988).

É verdade que os tempos que correm têm sido mais propícios ao interesse pelo pensamento nacional. As universidades já o acolhem, pelo menos no patamar da evocação, pois os currículos continuam a ser fortemente estrangeirados.
Também a sociedade de agora é mais esclarecida e não sente tanto a rejeição pura e simples do que é português. Esse esclarecimento tem levado a uma maior autonomia do pensamento, derrubando a tendência que havia de seguir as opiniões tidas como boas de dois ou três intérpretes que se auto-consideravam como especialistas na matéria.
Há, também, um maior apoio, local e nacional, à investigação sobre temas de matriz exclusivamente portuguesa. Estamos contudo vários patamares abaixo daquilo que se passa nos países ditos civilizados. Basta dizer que os portugueses se envergonham de não saberem outro idioma, nomeadamente a língua franca que actualmente é o Inglês, enquanto que alemães, russos, noruegueses, suecos… mesmo que dominem o inglês, falam e têm orgulho nas suas línguas nacionais que também não são de fácil apreensão.
Alguns eruditos que tendo feito carreira no estrangeiro, de uma maneira ou de outra, escolheram alimentar-se e alimentarem o pensamento português também têm contribuído para pôr o pensamento português na ordem do dia. É o caso do ensaísta Eduardo Lourenço que não se importou de trazer para a sua análise e crítica, temas como a saudade, que são muito depreciados pelo grosso da comunidade dos nossos pensadores, embrenhados ainda num pensamento fortemente racionalista e positivista.
Continua a haver um clima tenso entre as correntes do pensamento português e aqueles que se intitulam de seus legítimos representantes. Os que estão fora das universidades reúnem-se por afinidades em torno de pequenos grupos pensando, em muitos casos, que são os únicos herdeiros da tradição portuguesa e por isso abrem várias guerras àqueles que por não pensarem como eles, no seu entendimento, não têm legitimidade de falar em nome da tradição especulativa portuguesa. Todos estes grupos continuam a resistir ao trabalho realizado nas academias, denegrindo-o com frequência, apesar do valor que mostrar possuir. Parece que se acham portadores de uma verdade absoluta e por isso excluem todos aqueles que não concordarem com os seus princípios de análise e crítica.
Por outro lado, as universidades criaram as suas linhas de investigação e por questões de mentalidade e alguma sobranceria não acolhem no seu seio aqueles que não lhes pertencem de pleno direito. Em Portugal o autodidatismo e a obra de investigação e reflexão realizada fora das universidades, é por esta comunidade muitas vezes combatida e quase sempre ignorada.
É tempo, então, de a Nova Águia e outros movimentos afins se juntarem para acrescentar, em vez de se separarem para diminuir. Todos aqueles que estão dispostos a pensar a portugalidade e a lusofonia, quer sejam portadores de uma visão mais racional ou mais espiritual, têm de colaborar entre si, porque a procura da unidade supõe a complementaridade e não a exclusão. Quem se propõe pensar Portugal contribui com a sua parcela para contrariar a constatação de Fernando Pessoa ao reparar que depois de os portugueses terem construído um Império, continua a faltar que se cumpra Portugal. Aparentemente a obra mais simples, continua inacabada…
É então chegada a hora de todos os portugueses interessados no mesmo ideário unirem esforços para juntar o seu trabalho ao labor de todos os outros que perseguem os mesmos objectivos, mesmo que as intercepções possam parecer impossíveis. É este o maior desafio para as novas gerações de portugueses: acrescentar para completar em vez de excluir para fragmentar.
Assim todos o queiramos, assim todos o conseguiremos!

Artur Manso